Naufrágio

Desparecida embarcação nas Caraíbas com pelos menos 20 venezuelanos

Desparecida embarcação nas Caraíbas com pelos menos 20 venezuelanos

Uma embarcação que transportava pelo menos 20 venezuelanos afundou nas Caraíbas na semana passada, com a maioria dos seus passageiros desaparecidos, na segunda tragédia marítima num mês com pessoas a fugirem da crise.

Relatórios anteriores sobre o acidente relatavam que 32 pessoas estavam a bordo.

No mês passado, uma embarcação que transportava venezuelanos afundou na mesma área e mais de 20 pessoas continuam desaparecidas desse acidente.

No último incidente, a embarcação "Ana Maria" deixou Guiria, no Estado venezuelano de Sucre, e estava a caminho da ilha de Trinidad e Tobago quando afundou na quinta-feira, disse hoje um funcionário da agência de proteção civil da Venezuela.

O funcionário não estava autorizado a falar com a comunicação social e concordou em dar informações sobre o naufrágio sob a condição de que o seu nome fosse omitido.

Desde sábado que existiam rumores do naufrágio.

Parentes de pessoas a bordo apelaram por informações, mas o Governo do Presidente Nicolás Maduro não deu qualquer informação até ao final do dia de segunda-feira.

Um dos passageiros foi aparentemente resgatado por Robert Richards, um empresário e marinheiro norte-americano, que escreveu no Facebook que ele e a sua equipa encontraram um jovem venezuelano que esteve na água cerca de 19 horas.

Richards postou fotografias do homem agarrado a destroços no mar e disse que o barco que afundou estava a caminho de Trinidad para comprar mantimentos, porque a ilha venezuelana de onde vieram tem "comida limitada, que é muito cara".

O congressista de oposição Robert Alcala, do Estado de Sucre, disse que os passageiros incluíam uma mulher grávida, acompanhada por duas crianças de 2 e 3 anos.

Isidro Villegas disse que seu filho de 32 anos, Andy Villegas, migrou para Trinidad há um ano para sustentar a família e recentemente voltou para casa para visitar a mulher e filho. Na segunda-feira, Villegas enviou um barco para procurar o filho.

"Não há vestígios deles no mar", afirmou Villegas, que é capitão de navio, acrescentando: "Se eles se tivessem afogado, pelo menos os seus corpos teriam flutuado para a superfície".

Vários milhões de venezuelanos, ou pelo menos 10% da população, deixaram o país após anos de péssimas condições económicas. Embora a maioria dos migrantes venezuelanos tenha viajado por terra para a vizinha Colômbia e para o Brasil, barcos de pesca sobrecarregados algumas vezes contrabandeiam pessoas para ilhas vizinhas das Caraíbas.