Mundo

Dilma Rousseff apela a presidente da Indonésia para brasileiro não ser executado

Dilma Rousseff apela a presidente da Indonésia para brasileiro não ser executado

A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, apelou ao homólogo indonésio, Susilo Bambang Yudhoyono, para que o brasileiro Marco Archer Cardoso não seja executado, após ter sido condenado com a pena de morte por tráfico de droga.

"Ele prometeu-me fazer os seus melhores esforços e disse que entendia perfeitamente a diferença de cultura e hábitos no que se refere a não termos o hábito e a prática da pena de morte", afirmou Rousseff aos jornalistas em Nova Iorque, citada pela Agência Brasil.

A presidente brasileira viajou para os Estados Unidos para participar na Assembleia-Geral das Nações Unidas, na qual fez na terça-feira o discurso de abertura. Após o evento, teve vários encontros bilaterais, entre os quis um com Yudhoyono.

Rousseff afirmou ser uma "boa notícia" contar com os esforços do presidente indonésio no caso de Marco Archer Cardoso e realçou que o governo brasileiro respeita as diferenças de legislação entre os dois países.