Acidente

Dois mortos e 50 desaparecidos em deslizamento de terras numa mina na Birmânia

Dois mortos e 50 desaparecidos em deslizamento de terras numa mina na Birmânia

Duas pessoas morreram e cerca de 50 estão desaparecidas após um deslizamento de terras numa mina de jade no norte da Birmânia, referiu, esta terça-feira, a polícia local.

Pelo menos "54 pessoas estão desaparecidas (...) É impossível que tenham sobrevivido", declarou a polícia.

O acidente ocorreu na noite de segunda-feira no estado de Kachin, uma região montanhosa no centro da indústria de jade, onde regularmente ocorre este género de catástrofes.

O deslizamento formou um imenso "lago de lama" que atingiu numerosos mineiros que estavam a dormir, e ainda perto de 40 veículos, precisou a polícia à agência noticiosa AFP.

Até ao momento, apenas foram detetados dois corpos.

A Birmânia é o principal produtor mundial de jade, uma pedra muito apreciada, em particular na vizinha China.

No entanto, as condições de extração são muito deficientes e as companhias mineiras recrutam numerosos trabalhadores ilegais. Os locais de exploração também atraem populares que tentam recolher pedaços de jade deixados junto às minas.

Anualmente dezenas de pessoas são mortas por deslizamentos de terras, com a maioria dos acidentes a ocorrerem na estação das chuvas, que apenas se inicia no país asiático em maio.

Em novembro de 2015 mais de 100 pessoas foram mortas num acidente similar.

Um relatório da ONG Global Witness divulgado em 2015 refere que a Birmânia vendeu em 2014 no mercado mundial cerca de 27,5 mil milhões de euros de jade, dez vezes o número oficial.

Este número representa cerca de metade do PIB do país, que permanece um dos mais pobres do sudeste da Ásia.

Grande parte das receitas escaparam ao Estado, quando os combates foram retomados após 2011 entre o exército birmanês e o Exército independente de Kachin (KIA), que em grande parte se financia com rendimentos provenientes da extração de jade.