Apagão

Falhas elétricas persistem em algumas regiões da Venezuela

Falhas elétricas persistem em algumas regiões da Venezuela

Vários Estados da Venezuela continuam a apresentar problemas de abastecimento de energia elétrica, na sequência do grande apagão de segunda-feira que deixou o país às escuras.

O centro e o leste de Caracas registaram esta terça-feira pouco movimento de pessoas e de trânsito, sendo visível pequenos e grandes estabelecimentos comerciais com as portas fechadas, alguns deles à espera que o abastecimento de eletricidade se estabilize.

No oeste de Caracas, em Cátia, o movimento registado era parecido ao de um dia útil, apesar de alguns estabelecimentos, entre eles, queijeiras (lojas de venda de queijo), continuarem com as portas encerradas.

Por outro lado, o Metropolitano de Caracas e o Metropolitano de Los Teques continuam sem prestar serviço comercial, tendo habilitado o serviço de algumas rotas de transporte de superfície para passageiros.

O apagão afetou ainda o serviço ferroviário desde La Rinconada (Caracas) até Charallave e Los Valles del Tuy, 60 e 80 quilómetros a sul da capital, respetivamente.

O serviço elétrico em Caracas continua a registar alguma instabilidade, tendo ocorrido hoje vários apagões temporários, com alguns utilizadores a advertir que por vezes a energia rondava os 135 volts, mais 15 que os 120 volts que permitem o funcionamento da rede eletrica.

Ainda em Caracas, ocorreu uma explosão na subestação elétrica em Lar Artigas, que afetou parte da zona oeste da capital, mas provocar danos materiais ou vítimas.

Os bancos venezuelanos abriram as portas pelas 8.30 horas locais e prestarão serviço até às 14 horas locais (19 horas em Portugal continental). À hora de abertura eram visíveis dezenas de clientes, sobretudo idosos à espera de poderem levantar as suas pensões.

Entretanto, as autoestradas Francisco Fajardo, Valle-Coche e Cota Mil apresentavam ao final da manhã de hoje (período da tarde em Lisboa) pouca circulação de viaturas na capital.

Apesar de estatal Corporação Elétrica Nacional da Venezuela (CORPOELEC) ter anunciado, através da rede social Twitter, que o serviço estava 100% restituído em Caracas e em vários Estados do país, também através do Twitter os clientes dão conta de várias falhas e que alguns Estados estão há mais de 24 horas sem energia elétrica.

Segundo as rádios locais, estão sem eletricidade ou com falhas elétricas os Estados de Amazonas, Anzoátegui, Apure, Bolívar, Carabobo, Cojedes, Delta Amacuro, Falcón, Guárico, Lara, Miranda, Monagas, Nova Esparta, Portuguesa, Sucre, Táchira, La Guaira, Yaracuy e Zúlia.

Na tarde de segunda-feira ocorreu um novo apagão na Venezuela que, segundo a imprensa local, afetou os 24 Estados do país e o Distrito Capital.

As autoridades dizem que o apagão foi o resultado de um "ataque eletromagnético", o mesmo motivo que os grandes apagões ocorridos em março último, e que Caracas diz ter sido obra da oposição e do Governo dos Estados Unidos.

As atividades profissionais e escolares foram hoje suspensas para, segundo as autoridades, ajudar a restabelecer o abastecimento.

Fontes não oficiais dão conta que as principais redes de farmácias do país, hospitais e clínicas estão a funcionar, alguns deles usando energia alternativa.

Entretanto, vários engenheiros e analisas continuam a denunciar uma alegada falta de manutenção e de investimentos do sistema elétrico venezuelano.

A 07 de março a Venezuela registou um grande apagão que deixou o país quase na totalidade às escuras e que, na maioria dos Estados, se prolongou por até sete dias.

A 25 de março pelo menos 16 dos 25 Estados da Venezuela, incluindo o Distrito Capital, ficaram às escuras. Quatro dias depois um apagão afetou 23 Estados da Venezuela.

E a 9 de abril um novo apagão afetou quase toda a Venezuela.