Mundo

Família refém de talibãs no Paquistão libertada ao fim de cinco anos

Família refém de talibãs no Paquistão libertada ao fim de cinco anos

Uma família estadunidense sequestrada e mantida refém durante cinco anos por uma fação talibã, no Paquistão, foi libertada.

Segundo comunicado, emitido esta quinta-feira pelas autoridades paquistanesas, o casal - uma mulher norte-americana e um homem canadiano - e os três filhos foram resgatados "na sequência de uma operação" conjunta entre os serviços secretos norte-americanos e o exército paquistanês.

"Todos os reféns estão a salvo e vão ser repatriados para o país de origem", avançaram as forças militares do Paquistão, que não adiantaram pormenores da operação.

Caitlan Coleman e Joshua Boyle foram raptados em outubro de 2012, durante uma viagem à Rússia e à Ásia Central. Estavam de visita a uma região montanhosa perto da capital afegã, Cabul, quando foram sequestrados por membros da terrorista Haqqani, com ligações talibãs e responsáveis por vários ataques contra as forças estrangeiras e locais no Afeganistão.

Quando a mulher foi sequestrada, estava grávida do primeiro filho. De acordo com a Associated Press, o casal teve mais dois filhos, durante os anos em que esteve refém, no Paquistão, perto da fronteira afegã.

Desde 2012 a 2017, Caitlan e Joshua apareceram em vários vídeos, na Internet, onde pediam ao governo norte-americano que os resgatasse. No último vídeo tornado público, no início do ano, o casal pedia às forças governamentais que "negociassem" com os rebeldes.

Entretanto, o presidente dos EUA já veio saudar a libertação da família. "Ontem (na quarta-feira), o governo norte-americano, em coordenação com o governo paquistanês, conseguiu a libertação da família Boyle-Coleman".

"É um momento positivo na relação do nosso país com o Paquistão", afirmou Donald Trump, em comunicado, acrescentando que "a cooperação do governo paquistanês é um sinal que este honra as exigências dos Estados Unidos para que faça mais para melhorar a segurança na região".

Uma fonte da segurança nacional dos Estados Unidos esclareceu que a família ainda não está sob a custódia das autoridades norte-americanas, mas encontra-se num local seguro, não identificado, no Paquistão.

A mesma fonte, que falou sob anonimato, disse que a família é livre, acrescentando que o marido não queria embarcar num avião de transporte norte-americano.