Mundo

Filha da revolução egípcia chama-se Facebook

Filha da revolução egípcia chama-se Facebook

Um jovem egípcio resolveu homenagear o papel da rede social de Mark Zuckerberg na revolução que fez tombar Hosni Mubarak e baptizou a sua primeira filha como Facebook Jamal Ibrahim.

De acordo com o jornal Al-Ahram, citado por diversos órgãos de comunicação internacionais, o jovem pai de Facebook quis "expressar a sua gratidão pela conquista da juventude no passado dia 25 de Janeiro", revela o site TechCrunch, que traduziu a notícia original em árabe.

Apesar do nome fora do comum, o pai da criança revela que a bebé recém-nascida está a ser acarinhada pela comunidade e que até já recebeu presentes de pessoas que participaram activamente na revolução.

O Facebook, entre outras redes sociais e ferramentas da Internet, foi usado pelos egípcios para reunir esforços e criar um movimento social que só terminou com a saída de Hosni Mubarak do poder. Foi também através destas ferramentas que as informações sobre o desenrolar da revolução chegaram ao exterior, dando um maior impacto mediático ao caso.

Hoje em dia, cerca de cinco milhões de egípcios usam o Facebook.

Imobusiness