Cimeira

A imagem do documento e os detalhes do acordo entre EUA e Coreia do Norte

A imagem do documento e os detalhes do acordo entre EUA e Coreia do Norte

Um fotógrafo do Wall Street Journal apanhou o documento do acordo entre EUA e Coreia do Norte. Foi com base nesta foto que se começou a saber o que assinaram Donald Trump e Kim Jong-un.

O repórter do Wall Street Journal Jonathan Cheng aproveitou o momento em que Trump mostrou o acordo que acabara de assinar com Kim Jong-un para fazer uma foto que retrata as centenas de palavras subscritas pelos dois líderes.

Só depois se confirmou o acordo entre ambos os presidentes, quando a Reuters teve acesso ao texto, cujo conteúdo aqui se descreve.

O que diz documento e o que se pode entender do que foi assinado

O texto que Kim e Trump assinaram esta terça-feira, em que são destacados quatro pontos principais:

1- "Os Estados Unidos e a RPDC comprometem-se a estabelecer novas relações EUA-RPDC segundo a vontade dos povos dos dois países pela paz e prosperidade".

- O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, irá reunir-se o mais rapidamente possível com um alto funcionário norte-coreano, não identificado, para prosseguir com as negociações.

2- "Os Estados Unidos e a RPDC vão combinar esforços para construir um regime de paz duradouro e estável na Península da Coreia".

- O Presidente Trump comprometeu-se a fornecer as garantias de segurança à Coreia do Norte sem especificar medidas.

3- "Reforçando a Declaração de Panmunjom de 27 de abril de 2018, a RPDC compromete-se a trabalhar para a desnuclearização completa da Península Coreana".

- De acordo com a agência France Presse (AFP), o texto não menciona a exigência norte-americana de "desnuclearização completa e irreversível" - a fórmula que significa o abandono completo do armamento e a aceitação de missões de inspeção -, mas reafirma a formulação mais vaga mencionada no compromisso anterior, sem adiantar um calendário para o processo.

4- "Os Estados Unidos e a RPDC comprometem-se a recuperar prisioneiros de guerra/desaparecidos em combate, admitindo o repatriamento imediato daqueles já identificados".

- Os corpos de mais de 7800 militares norte-americanos continuam por localizar desde o final da Guerra da Coreia (1950-53). Trump quer levar de volta aos EUA os restos mortais desse militares.