Protestos

Grávida morta a tiro na entrega de pernil na Venezuela

Grávida morta a tiro na entrega de pernil na Venezuela

Um membro da Guarda Nacional Bolivariana matou a tiro uma mulher grávida durante a entrega de pernis de porco subsidiados pelo Estado venezuelano a oeste de Caracas.

De acordo com um relatório policial a que a agência Efe teve acesso, um grupo de pessoas estava "à espera dos benefícios sociais concedidos pelo governo [pernil]" e "tornaram-se violentos", de modo que "uma comissão da Guarda do Povo se dirigiu ao lugar para pedir-lhes que voltassem para as suas casas".

Nesse momento, "uma das autoridades militares, fazendo uso indevido da sua arma efetuou disparos contra a multidão, ferindo a vítima, que foi levada para o hospital mais próximo onde chegou sem sinais vitais", refere a polícia no relatório, citada pela Efe.

Cerca de 20 camiões carregados de pernis de porco entraram este domingo na Venezuela provenientes da Colômbia para entregar o produto que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, prometeu distribuir aos cidadãos na época natalícia, mas que não chegou a muitas zonas do país.

"Temos aproximadamente uns 30 veículos, mas 20 deles cruzaram a fronteira. Cada camião leva entre 24 e 28 toneladas de pernil de porco", afirmou à rádio Caracol Alirio Parra, um dos condutores que vai levar este produto para Caracas.

Os camiões estavam estacionados desde sexta-feira passada na zona industrial da cidade fronteiriça de Cúcuta à espera de receber a autorização sanitária do Instituto Nacional de Vigilância de Medicamentos e Alimentos (Invima) para poder levar cerca de 1500 toneladas de pernis para a Venezuela.

"Chegámos há dois dias a Cúcuta e estávamos à espera das autorizações para poder cruzar a ponte internacional", acrescentou.

Este condutor adiantou que membros da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar da Venezuela) disseram aos camionistas colombianos que tinham "todas as garantias para passar" e que iriam ser escoltados porque "necessitavam com urgência do produto".

Maduro assegurou na passada quarta-feira que os pernis prometidos aos venezuelanos não chegaram ao país no Natal devido a uma "sabotagem" de Portugal, acusação que Lisboa rejeitou.

Um dia depois, o ministro da Agricultura Urbana da Venezuela, Freddy Bernal, disse que a Colômbia tinha retidas 2200 toneladas de pernil na fronteira.

Nos últimos dias sucederam-se vários protestos em zonas humildes de distintos pontos do país devido à falta do pernil de porco natalício prometido por Maduro a seis milhões de famílias beneficiárias da iniciativa.