"New York Times"

Grupo de funcionários da Casa Branca atua contra as políticas de Trump

Grupo de funcionários da Casa Branca atua contra as políticas de Trump

O "New York Times" publicou na quarta-feira um artigo anónimo de um destacado responsável da Administração Trump que explica porque e como se esforça, com outros, para lutar por dentro contra as "piores tendências" do presidente norte-americano.

Donald Trump reagiu imediatamente, classificando o texto como "cobarde" e criticando duramente a atitude do jornal nova-iorquino. "Traição?", lê-se num outro "post" na rede social Twitter.

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, exigiu ao autor do texto que se "demita".

Um destacado quadro da Casa Branca revelou num texto no editorial do jornal "New York Times" que um amplo grupo de funcionários que trabalham para o Presidente se esforça conjuntamente para anular algumas das suas políticas que consideram mais gravosas.

O artigo do funcionário da Sala Oval, que permaneceu no anonimato, começa por sublinhar que o maior desafio que Trump enfrenta é que "muitos funcionários seniores da sua Administração estão a trabalhar diligentemente, por dentro, para frustrar parte dos seus objetivos e das piores tendências".

Esta é a primeira vez que o "Times", que diz querer proteger a identidade da fonte para evitar a sua expulsão da Administração, publica um artigo de opinião de uma fonte que mantém o anonimato e que desvenda uma corrente contra o mandatário norte-americano dentro do próprio Governo.

"Então o fracassado New York Times tem uma coluna anónima? Dá para acreditar? Anónima. O que quer dizer cobarde. Uma coluna cobarde", reagiu Donald Trump durante uma reunião na Casa Branca com dezenas de deputados de todo o país.

O autor do texto esclarece que os seus esforços para anular algumas das iniciativas de Trump não partem de uma "resistência popular da esquerda".

"Queremos que a Administração tenha êxito e queremos que muitas das políticas tenham eco e que os EUA sejam mais seguros e prósperos", concretiza a fonte, sublinhando que o grupo de funcionários atua contra as políticas de Trump porque o presidente continua a atuar "em detrimento da saúde da República".

"Por ela, muitas das pessoas designadas por Trump juraram fazer o possível para preservar as nossas instituições democráticas", sublinha.

No texto refere-se que a raiz do problema da atual Administração norte-americana é a falta de moralidade do Presidente e sustenta-se que, apesar de ter sido eleito como representante do partido republicano, não defende as ideias dos conservadores, como a liberdade de pensamento ou a liberdade do mercado.

Trump reage no Twitter a afirmações do livro

Através do Twitter, Donald Trump questiona a veracidade do artigo publicado no jornal. "Existe mesmo ou é mais uma fonte telefonica do New York Times'", questiona. "Se a pessoa anónima existe, o jornal deve denunciá-la de imediato por questões de Segurança Nacional", conclui.

ver mais vídeos