Terrorismo

Há uma vítima portuguesa em Barcelona

Há uma vítima portuguesa em Barcelona

Há uma cidadã portuguesa confirmada entre as vítimas mortais do atentado em Barcelona. Uma outra pessoa de nacionalidade portuguesa está desaparecida.

Uma mulher de nacionalidade portuguesa, de 74 anos (nascida em 1943), e residente em Lisboa, é uma das 13 vítimas mortais do ataque registado na quinta-feira, em Barcelona, disse à Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro.

Acompanhe aqui o desenrolar dos acontecimentos em Espanha ao minuto

Uma jovem de 20 anos, neta da mulher identificada como a vítima mortal portuguesa, está desaparecida desde a hora do ataque.

"O Governo português está a envidar, junto do seu homólogo, todos os esforços para localizar a pessoa que está desaparecida", e que acompanhava a mulher identificada como vítima mortal do atentado em Barcelona, disse António Costa.

"O Governo português já teve oportunidade de falar com a família" da vítima e da mulher desaparecida, e de "expressar as condolências" com o sucedido, acrescentou o primeiro-ministro.

Em contacto telefónico com a RTP, o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, expressou as "mais sentidas e sinceras condolências" com a família das vítimas portuguesas. "Em nome de todos os portugueses, quero expressar a minha solidariedade com a dor desta família", acrescentou o Chefe de Estado.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas disse, também à RTP, que o processo de identificação das vítimas ainda não está concluído. "Só esta manhã tivemos a confirmação desta terrível notícia, de uma portuguesa entre as vítimas mortais, numa altura em que ainda decorre o processo de identificação", disse.

"A confirmação desta vítima mortal portuguesa só reforça o sentimento de solidariedade que havíamos transmitido ao povo espanhol e mostra que o terrorismo é uma ameaça global", disse António Costa.

Duplo atentado na Catalunha causou 14 mortos

O atentado em Barcelona, na quinta-feira à tarde, causou 13 mortos e cerca de 130 feridos, 17 destes em estado crítico.

Num outro ataque, já na madrugada de sexta-feira, uma mulher morreu quando uma carrinha investiu contra as pessoas, em Cambrils, uma localidade balnear a cerca de 120 quilómetros de Barcelona.

Cinco terroristas foram mortos pela polícia durante este ataque. O ministro catalão do Interior, Joaquin Forn, relaciona os dois atentados, de Barcelona e Cambrils.

Assim, são 14 as vítimas mortais confirmadas no duplo atentado na Catalunha. Esta sexta-feira ao final da manhã, a polícia confirmou que deteve um quarto suspeito dos atentados.

O chefe dos Mossos d'Esquadra, Josep Lluís Trapero, disse que alguns elementos da investigação apontam para uma "ligação clara" entre os atentados em Barcelona e Cambrils e uma explosão em Alcanar, Tarragona, na quarta-feira à noite.

Uma pessoa morreu e várias ficaram feridas ao manusear garrafas de gás. A hipótese mais credível, segundo os Mossos d"Esquadra, é que os suspeitos estavam a fabricar um engenho explosivo.

O motorista da furgoneta utilizada no ataque terrorista em Barcelona ainda estará em fuga.

Imobusiness