Alemanha

Igreja católica alemã apela à redução de refugiados

Igreja católica alemã apela à redução de refugiados

A Igreja católica alemã apelou a uma redução do número de refugiados que chegam à Alemanha por considerar que o país não pode "acolher todas as necessidades do mundo".

"Como Igreja também nós dizemos que precisamos de uma redução do número de refugiados", declarou o presidente da Conferência Episcopal alemã, o cardeal Reinhard Marx, numa entrevista ao jornal regional "Passauer Neue Presse".

A Alemanha não pode "acolher todas as necessidades do mundo", afirmou o cardeal Marx, defendendo que esta questão não deve ser tratada apenas à luz da "caridade, mas também à da razão".

No ano passado, o país acolheu 1,1 milhões de candidatos a asilo, um recorde absoluto. Até agora a Alemanha ainda não deu previsões oficiais do número de refugiados esperados este ano.

O cardeal Marx também se mostrou preocupado com um aumento da xenofobia na Alemanha, numa altura em que o partido populista alemão Alternative für Deutschland (AfD) se aproveita da crise dos refugiados para adotar um discurso de direita radical.

A presidente do AfD, Frauke Petry, provocou recentemente controvérsia no país por defender que as forças de segurança deviam, "em última instância, (...) poder recorrer às armas" para proteger as fronteiras nacionais contra o afluxo de migrantes.

Estas declarações são "inaceitáveis e hostis ao humano", defendeu o cardeal Marx.

"Infelizmente houve sempre na Alemanha um certo potencial de extremismo de direita e também de racismo. Esta ideologia manifestamente ainda se consolidou mais", considerou Marx.

Uma manifestação do movimento islamófobo alemão Pegida deverá realizar-se hoje no âmbito de uma jornada europeia antimigrantes com a palavra de ordem "Fortaleza Europa", que deverá contar com manifestações de extrema-direita designadamente em Varsóvia e Praga.

Imobusiness