Fotografia

Imagem de três crianças no meio de escombros é símbolo do conflito sírio

Imagem de três crianças no meio de escombros é símbolo do conflito sírio

A imagem de três crianças presas nos escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na região noroeste da Síria está a correr mundo e a mostrar, uma vez mais, os efeitos dramáticos do conflito iniciado em 2011.

Na imagem, que se tornou viral ao ser publicada primeiro pela imprensa local e depois reproduzida pelos media internacionais, veem-se três meninas, todas irmãs, presas no meio dos escombros de um prédio. Uma delas, identificada como Riham, de 5 anos, está a segurar a roupa da mais nova, Touka, de 7 meses, que parece estar suspensa. Ao lado de Riham, também presa por um bloco de betão, está Dalia.

Atrás, mostra a imagem, está um pai, de pé em cima dos escombros, a gritar, aparentemente impotente perante a situação dramática das três crianças.

A fotografia foi tirada pelo repórter fotográfico Bashar el-Sheikh, do jornal online local SY24, na quarta-feira, em Ariha, cidade da província de Idlib (noroeste da Síria), que foi alvo de raides aéreos conduzidos pelas forças do regime sírio de Bashar al-Assad, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

De acordo com a mesma publicação, Riham morreu momentos depois de a imagem ter sido captada. Touka e Dalia foram hospitalizadas em Idlib. "Touka sofreu um traumatismo craniano. Esteve com respiração assistida durante 24 horas e encontra-se atualmente nos cuidados intensivos", disse uma fonte hospitalar à agência noticiosa francesa France Presse (AFP). Dalia, que sofreu ferimentos na zona do peito e que foi operada, "encontra-se em estado estável", referiu outra fonte.

Durante o ataque, a mãe das três irmãs, e de mais três meninas, também morreu. Rowane, de três anos, também da família, é a mais recente vítima do bombardeamento, tendo sucumbido hoje aos ferimentos sofridos no abdomen e no peito. As duas outras irmãs também ficaram feridas, mas sobreviveram.

Desde finais de abril, o regime sírio, apoiado pela Rússia (aliado tradicional de Damasco), intensificou os bombardeamentos na província de Idlib e em outras áreas circundantes, ainda controladas por forças insurgentes. Em quase três meses, os ataques aéreos, quase diários, mataram cerca de 740 civis, incluindo mais de 180 crianças, segundo o Observatório.

O número de crianças mortas na província de Idlib nas últimas quatro semanas já ultrapassou o balanço de todo o ano de 2018, denunciou, na quinta-feira, a organização não-governamental (ONG) "Save the Children".