Síria

Inspetores de armas químicas conseguiram entrar em Douma

Inspetores de armas químicas conseguiram entrar em Douma

Os inspetores da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) conseguiram entrar na cidade síria de Douma, este sábado, onde alegadamente terá havido, a 7 de abril, um ataque com esse tipo de armamento.

Em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia avança que a missão especial da OPAQ esteve na cidade de Douma (Ghouta Oriental), esta manhã, e criticou o atraso, considerando-o "inaceitável".

Os peritos em armas químicas estão em território sírio há oito dias, mas a viagem para Douma foi sucessivamente adiada.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia refere que a segurança dos inspetores foi garantida não apenas pelo lado sírio, como também pelo comando do contingente russo na Síria.

"Esperamos que os inspetores da OPAQ realizem a mais imparcial investigação sobre o que aconteceu em Douma e façam um relatório objetivo", indica o comunicado da diplomacia russa.

A OPAQ pretende fazer um inquérito ao alegado ataque de armas químicas, que a 07 de abril provocou mais de 40 mortos e 500 feridos.

A missão recebeu um convite do Governo sírio, sob pressão da comunidade internacional. A Rússia nega, tal como Damasco, que tenham sido usadas armas químicas naquela cidade próxima da capital síria.

Em resposta a este alegado ataque com armas químicas por parte do governo de Bashar al-Assad, os Estados Unidos, a França e o Reino Unido realizaram na madrugada de 14 de abril uma série de ataques com mísseis contra alvos associados à produção de armamento químico na Síria.