Violência

Irlandesa de 14 anos violada e assassinada por dois rapazes de 13 anos

Irlandesa de 14 anos violada e assassinada por dois rapazes de 13 anos

Ana Kriégel tinha apenas 14 anos quando foi violada e assassinada por dois rapazes de 13 anos. Ridicularizada e assediada diariamente por ser diferente, a sua história continua a chocar a Irlanda.

Em maio do ano passado, Ana Kriégel, uma menina de 14 anos que morava num subúrbio de Lucan, em Dublin, recebeu uma chamada de um menino de 13 anos, com a notícia de que o rapaz de quem ela gostava queria conhecê-la. Como qualquer outra rapariga da sua idade, Ana ficou entusiasmada e aceitou o convite do seu "amigo", que a foi buscar a casa, para se encontrarem numa habitação abandonada onde estaria à espera o rapaz de quem a jovem gostava, também ele com 13 anos.

Não era esse o objetivo. No esconderijo os adolescentes tinham preparado um "kit de homicídio" - nome mais tarde dado pela polícia irlandesa - que continha máscaras de zombie, luvas pretas, caneleiras e joalheiras. Os menores abusaram sexualmente de Ana e agrediram-na violentamente com um pau e um bloco de cimento. Após três dias, Ana Kriégel foi encontrada morta pela polícia, na casa abandonada, a três quilómetros da sua habitação. No corpo e na cabeça tinha cerca de 60 ferimentos, e foi violada várias vezes.

Ana era descrita como uma rapariga que tinha poucos amigos e que estava sempre sozinha. Adotada aos dois anos de idade por Geraldine e Patric Kriégel, era vítima de bullying e regularmente deixada de parte por todos os grupos. Caracterizada como uma menina alta, sorridente, que adorava cantar e dançar, porem ingénua e inocente, era alvo de insinuações sexuais e ameaças através das redes sociais. Para além disso tinha problemas de memória, visão e audição, sequelas de uma operação de remoção de um tumor, de acordo com o jornal inglês "The Guardian".

Os dois rapazes, agora com 14 anos, com identidades não reveladas por serem menores, tornarem-se os mais jovens da história da Irlanda a serem condenados por homicídio. Apesar dos seus nomes circularem nas redes sociais, são tratados como o Rapaz A, o que estava à espera na casa abandonada, e o Rapaz B, o que foi buscar Ana.

O caso continua a chocar a Irlanda. Após um julgamento de seis semanas, ambos os rapazes foram acusados de homicídio, sendo que um deles também foi acusado de abuso sexual agravado. No Tribunal Central de Dublin, o Rapaz A negou as acusações, no entanto havia sangue de Ana nas suas botas e sémen foi encontrado no corpo da jovem. O Rapaz B alegou ter apenas assistido às ações do amigo. Ainda não se conhece a sentença de ambos os adolescentes.