Itália

Italianos assinalam primeiro ano da queda da ponte em Génova

Italianos assinalam primeiro ano da queda da ponte em Génova

A Itália recorda, esta quarta-feira, o colapso de uma ponte em Génova, que deixou 43 mortos a 14 de agosto de 2018, numa cerimónia que tomou um tom político inesperado devido à atual crise na coligação populista no poder.

Num grande armazém próximo do local da tragédia, foi celebrada uma missa por volta das 10 horas (9 horas em Portugal continental) com a leitura do nome de cada uma das 43 vítimas, na presença de centenas de familiares, mas também de todos os protagonistas da crise política sem precedentes que sacode o país neste verão.

O presidente italiano, Sergio Mattarella, que sozinho tem o poder de convocar novas eleições, o ministro (do Interior) Matteo Salvini (Liga, extrema-direita), que exige novas eleições desde a semana passada, o vice-primeiro-ministro Luigi Di Maio (Movimento 5 Estrelas, antissistema), o líder do Governo, Giuseppe Conte, e outros ministros marcaram presença na cerimónia.

A missa foi celebrada pelo arcebispo de Génova, cardeal Angelo Bagnasco.

A 14 de agosto de 2018, às 11.36 horas (10.36 horas em Portugal continental), a parte central da ponte Morandi - que está localizada na autoestrada A10 e que é essencial para o comércio entre Itália e França e também para as rotas locais - caiu arrastando dezenas de veículos. Na tragédia morreram 43 pessoas, entre as quais quatro crianças.

Na mesma hora do acidente, as pessoas da cidade guardaram esta quarta-feira um minuto de silêncio.

A rutura entre a Liga e o M5S já está confirmada, mas as eleições antecipadas, exigidas por Salvini, não são certas. Uma nova maioria entre o M5S e o Partido Democrata (centro-esquerda) poderia emergir de uma série de sessões parlamentares agendadas para 20 de agosto.