O Jogo ao Vivo

jornalista

Joanesburgo em choque com acidente de João Silva no Afeganistão

Joanesburgo em choque com acidente de João Silva no Afeganistão

Ao serviço do "The Star", o fotojornalista português João Silva eternizou as imagens da violência e da resistência da extrema-direita branca em África do Sul. Captou uma parte significativa da História do país. Hoje, a cidade onde vive, Joanesburgo, está consternada.

Todos os repórteres e correspondentes internacionais que vivem em Joanesburgo manifestaram-se chocados com o acidente sofrido por João Silva, anteontem, no Sul do Afeganistão.

A mulher, Vivian Silva, ficou muito abalada com as primeiras notícias do acidente e viajou, ontem, para Heidelberg, na Alemanha, onde chegou hoje para se encontrar com João Silva, internado num hospital norte-americano.

O seu estado clínico é estável. Segundo declarações, ao JN, do responsável pela delegação do "The New York Times" em Joanesburgo, "não se sabe quantos dias João Silva ficará na Alemanha, mas deverão ser pouco dias. Muito provavelmente será transferido para os EUA".

Em Joanesburgo, ficaram os dois filhos do casal e os pais do fotojornalista, que têm acompanhado a situação pela RTP Internacional. A mãe entrou em estado de choque ao saber que o filho ficou com as pernas amputadas, por altura do joelho, na sequência da explosão da mina. A Embaixada de Portugal em Pretória já disponibilizou todo o apoio à família Silva.

Em África do Sul, o fotógrafo de guerra é conhecido pela sua paixão.  Acompanhou todo o período violento do apartheid até à democracia. Agora, João Silva voltou a surpreender. "Aqueles que o conhecem não ficaram surpreendidos ao saber que, durante esta provação, ele continuou a fotografar", disse Bill Keller, editor-executivo do "The New York Times". "O João sofreu ferimentos muito graves nas pernas, entre outras feridas, mas ele é extraordinariamente forte e tem um espírito indomável", acrescentou.

Segundo o diário norte-americano, os médicos conseguiram assistir o repórter segundos depois da explosão. Fizeram torniquetes, administraram-lhe morfina e colocaram-no dentro do helicóptero. João Silva foi operado na base da NATO de Kandahar, tendo depois sido transferido para Cabul, onde o examinaram antes de ser evacuado para o hospital das Forças Armadas Norte-americanas na Alemanha.  É a este hospital  que chegam muitos feridos de guerra das forças norte-americanas e aliadas.