Panamá

Líderes da Mossack Fonseca detidos por ligação à Lava Jato

Líderes da Mossack Fonseca detidos por ligação à Lava Jato

Dois responsáveis da empresa de advogados Mossack Fonseca foram detidos. São desta firma, com sede no Panamá, os milhares de documentos divulgados em 2016 sobre bens em paraísos fiscais, caso conhecido como os "Panamá Papers".

Ramon Fonseca Mora e Jurgen Mossack, os dois principais responsáveis do escritório de advogados Mossack Fonseca, com sede no Panamá, foram detidos na quinta-feira, horas depois de terem sido acusados, pela justiça panamiana, de envolvimento na "Lava Jato", a mega operação de corrupção em investigação no Brasil.

Fonseca e Mossack foram transferidos das instalações da Procuradoria, onde prestaram declarações, e passaram a noite sob custódia da polícia, confirmou o advogado de defesa Elias Solano. As diligências do inquérito prosseguem esta sexta-feira.

Segundo a imprensa brasileira, Fonseca e Mossack são acusados de lavagem de dinheiro.

A procuradora Kenia Porcell explicou que existe a suspeita de que a firma de advogados seja "uma organização criminosa que se dedica a ocultar ativos e dinheiro de origens suspeitas" e serve para "eliminar evidências dos envolvidos em atividades ilícitas relacionadas ao caso Lava Jato".

No entanto, considera que são "acusações forçadas, carentes de provas".

Antes de ser detido, Ramon Fonseca, antigo ministro do presidente do Panamá, Juan Carlos Varela, acusou o chefe de Estado de ter recebido dinheiro da Odebrecht, a construtora brasileira envolvida no escândalo Lava Jato.

Uma gigante fuga de informação revelou como chefes de Estado, políticos, criminosos e famosos lavam dinheiro ou escondem bens. Há 34 clientes com morada fiscal em Portugal no denominado escândalo "Panamá Papers", divulgado em abril de 2016.

Estão em causa 11,5 milhões de ficheiros da Mossack Fonseca, obtidos por uma fonte anónima e entregues ao jornal alemão "Süddeutsche Zeitung", que partilhou a informação com o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ).

ver mais vídeos