EUA

Lóbi das armas tem "um verdadeiro amigo na Casa Branca", diz Trump

Lóbi das armas tem "um verdadeiro amigo na Casa Branca", diz Trump

O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele lobby, que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

Donald Trump, o primeiro chefe de Estado em exercício a falar na convenção anual do grupo, a National Rifle Association (NRA), em mais de 30 anos, garantiu aos presentes que defenderá o direito ao porte de armas.

"Têm um verdadeiro amigo e defensor na Casa Branca", declarou o Presidente perante os participantes na reunião anual da NRA, onde, contudo, foi proibida a entrada de armas.

A viagem de Trump a Atlanta incluirá também a sua primeira incursão numa corrida ao Congresso desde que assumiu o cargo: deverá estar presente numa sessão privada de angariação de fundos para a candidata republicana ao Congresso Karen Handel - uma eleição local que se tornou um referendo nacional à sua Presidência.

Trump tem sido um feroz defensor do direito ao porte de armas e apoiado os esforços da NRA para aligeirar as restrições à respetiva propriedade.

Durante a campanha, prometeu reverter as medidas do Presidente Barack Obama que previam a intensificação das verificações de antecedentes e eliminar as zonas livres de armas em escolas e bases militares.

O último Presidente norte-americano a dirigir-se a uma convenção da NRA foi o republicano Ronald Reagan, que falou no encontro de 1983.

Esta sexta-feira, em Atlanta, a presença de Trump - que já no ano passado participara na convenção enquanto candidato - desencadeou protestos, depois de este ter prontamente promulgado um diploma aprovado pelo Congresso dominado pelos republicanos, para acabar com uma norma destinada a manter as armas longe das mãos de algumas pessoas com doenças mentais.