Espanha

Lusodescendente marcado pela tragédia nas minas tenta salvar Julen

Lusodescendente marcado pela tragédia nas minas tenta salvar Julen

São oito os mineiros que tentam desesperadamente chegar até ao pequeno Julen, em Málaga. Entre eles há um que é filho de pai português e que tem uma história trágica ligada às minas. Lázaro Gutiérrez ficou órfão de pai na sequência de um dos maiores desastres na história das Astúrias. Habituado a viver sem o pai desde criança, tenta agora evitar que os pais de Julen tenham que suportar uma carga igualmente pesada.

O pai de Lázaro passou metade da vida no interior das minas de carvão à procura do então chamado ouro negro. No dia 31 de agosto de 1995, Eduardo Augusto, nascido em Bragança, partia para mais um trabalho em Mieres, nas Astúrias.

De acordo com o jornal local "La Nueva España", foi perto das 3 horas dessa quarta-feira fatídica, quando um grupo de cerca de 20 mineiros estava a 400 metros de profundidade, que se deu uma explosão de gás.

O impacto foi tão grande que matou 14 pessoas. Dez mineiros da empresa Hunosa e outros quatro da Satra, que, naquela altura, contratava muitos imigrantes de leste para trabalhar no tesouro do carvão. O jornal "El Español" diz que apenas duas pessoas sobreviveram. O português Eduardo, então com 35 anos, não foi um deles.

Tragédia sem explicação

Mais de 23 anos depois da tragédia, as causas do acidente continuam por apurar. No rescaldo foram levantadas três hipóteses. Nenhuma coincidente ou definitiva.

O relatório da empresa Hunosa apontou para uma falha num ventilador elétrico. O segundo relatório, da Comissão de Trabalhadores, justificou o acidente responsabilizando os trabalhadores. O terceiro, da responsabilidade da Direção Geral de Minas, apontou para um possível cartucho de dinamite que depois de explodir espoletou toda a catástrofe.

Mesmo sem se chegar a qualquer conclusão, este é o maior acidente da história recente da exploração de carvão em Espanha. Não houve um acidente igual em mais de meio século de história.

A própria região nunca chegou a recuperar do acidente. A exploração de carvão está em claro declínio e em 2019 só um poço resiste em toda a Espanha, precisamente da companhia Hunosa. Todos os outros estão fechados.

A morte de Eduardo Augusto deixou em choque a família e marcou particularmente os dois filhos. Entre eles Lázaro, que mantém a ligação ao passado do pai bem intacta. É também no interior das minas que luta para ganhar a vida. Está agora em Totalá, Málaga, numa luta inglória contra o tempo em busca do pequeno Julan, que há mais de duas semanas caiu a um poço com mais de 100 metros de profundidade.