Síria

Mais de 200 organizações pedem fim do silêncio da ONU sobre a Síria

Mais de 200 organizações pedem fim do silêncio da ONU sobre a Síria

Um movimento de 224 organizações cívicas do mundo árabe exigiram, numa carta, o fim do silêncio do Conselho de Segurança das Nações Unidas em relação à Síria.

Numa carta aberta dirigida ao órgão da ONU, do qual Portugal é membro não permanente, os activistas de mais de dez países pedem uma resolução reclamando o "fim imediato" da violência e dos ataques contra manifestantes na Síria.

Segundo o movimento, mais de mil civis foram assassinados e dez mil presos em 16 cidades sírias.

A falta de água potável e de electricidade em cidades como Deraa e Homs deixaram "inocentes civis, incluindo muitas crianças e mulheres, sem serviços básicos". A ajuda humanitária está a ser dificultada por cortes nas comunicações.

Na missiva dirigida aos 15 membros do Conselho de Segurança, as organizações exigem o cumprimento de direitos como o respeito pela liberdade de associação e expressão.

O movimento inclui organizações de defesa dos direitos humanos de países como Egipto, Líbia, Qatar, Marrocos, Iémen, Síria, Argélia e Arábia Saudita.

A Organização Nacional de Direitos Humanos síria divulgou, na terça-feira, que pelo menos 1062 pessoas morreram desde o início da onda de contestação na Síria, a 15 de Março.

Entre as vítimas contam-se 25 crianças, algumas delas assassinadas com recurso a "tortura severa" e outras apanhadas em fogo cruzado, de acordo com um grupo da oposição síria.

O movimento de contestação ao regime do Presidente sírio, Bachar al-Assad, tem sido violentamente reprimido pelas forças de segurança.