Hugo Chávez

Milhares junto à Academia Militar por devoção a Hugo Chávez

Milhares junto à Academia Militar por devoção a Hugo Chávez

Milhares de venezuelanos permanecem junto à Academia Militar, em Caracas, para as cerimónias fúnebres de Hugo Chávez. Muitos não desmobilizaram, mesmo durante a noite. Horas e horas de espera, numa maré vermelha de devoção ao ex-presidente, presenciada por dezenas de líderes mundiais.

Junto à urna de Hugo Chávez, na Academia Militar, em Caracas, já passaram milhões de venezuelanos desde quarta-feira. Esta sexta-feira, é a vez de cerca de 30 líderes mundiais, como são exemplo os brasileiros Lula da Silva e Dilma Russeff, o iraniano Mahmud Ahmadinejad, o cubano Raul Castro ou o príncipe espanhol Felipe de Bourbon. O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Paulo Portas também está nas cerimónias em representação do Governo português.

No exterior, uma verdadeira onda vermelha não desmobiliza para poder assistir às cerimónias oficiais. Nem durante a noite, improvisando "camas" com caixas de cartão e jornais. É o caso de Gianelly Rangel, que tem uma bandeira da Venezuela sobre os ombros. Esperou 24 horas, com as duas filhas e a irmã, para conseguir chegar à urna e se despedir do seu herói, "um grande homem do século XXI", contou ao diário espanhol "El Mundo". "Estou muito orgulhosa de ver todos estes chefes de Estado", acrescentou.

A urna está aberta até à zona da cintura com um tampo de vidro. Não é possível fotografar, mas testemunhas contaram que o corpo do ex-presidente venezuelano tem vestido o uniforme militar, a faixa presidencial e a tradicional boina vermelha.

O funeral de Hugo Chávez, que deveria realizar-se esta sexta-feira, foi adiado e o corpo permanecerá em câmara ardente por mais sete dias. Depois, será embalsamado e irá para o Museu Militar.