México

Multidão filma e aplaude dois homens queimados vivos após rumor no WhatsApp

Multidão filma e aplaude dois homens queimados vivos após rumor no WhatsApp

Um grupo de pessoas, no México, arrastou dois homens da prisão e atacou-os, queimando-os vivos, depois de um rumor no WhatsApp os acusar de serem parte de um gangue responsável por raptar crianças.

Tudo começou quando Ricardo Flores, de 21 anos, e o seu tio, Alberto Flores, de 43 anos, foram detidos na pequena cidade de Acatlán, no centro do México, por "terem provocados distúrbios", explica a BBC. Os dois homens foram à cidade para comprar material de construção, quando acabaram detidos.

Pouco depois de terem dado entrada na cadeia, começou a circular um rumor no WhatsApp, dando conta de que os dois homens estariam envolvidos no rapto de crianças e no tráfico de órgãos.

"Nos últimos dias, crianças de quatro, oito e 14 anos desapareceram. Algumas dessas crianças apareceram mortas. Os seus órgãos terão sido removidos", pode ler-se na mensagem que se tornou viral.

Fora da cadeia, juntou-se uma multidão, em parte organizada por Francisco Martinez, um homem local, que espalhou as mensagens no WhatsApp. Um outro homem utilizou os sinos da igreja para avisar os cidadãos de que a polícia se preparava para libertar os dois homens. A BBC avança ainda que um outro homem terá utilizado altifalantes para pedir às pessoas para comprar gasolina para incendiar os dois detidos.

Apesar de as autoridades terem afirmado repetidamente de que Ricardo e Alberto eram acusados por delitos menores, um grupo de 150 pessoas cercou a esquadra. Nas imagens que chegaram às redes sociais, pode ver-se o momento em que os detidos são arrastados violentamente para fora da cela e espancados. Os dois homens foram depois queimados vivos perante uma multidão animada, que segurou os telemóveis no ar para filmar o incidente.

Na sequência do ataque, duas pessoas foram acusadas pela morte dos dois homens e cinco outras por instigarem o assassinato, entre eles o responsável pelao envio das mensagens. A polícia daquela localidade informou ainda que há quatro suspeitos em fuga.