Venezuela

Oposição denuncia desmantelamento da rede consular venezuelana nos EUA

Oposição denuncia desmantelamento da rede consular venezuelana nos EUA

Representantes do autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, denunciaram, esta sexta-feira, que a rede consular venezuelana nos Estados Unidos "foi desmantelada" por ordens de Caracas e que a oposição iniciou diligências para assumir o controlo efetivo das mesmas.

A denúncia foi feita por Carlos Vecchio, nomeado, por Juan Guaidó, como delegado da Venezuela nos EUA, numa conferência de imprensa, em Washington.

O representante precisou que a oposição de Maduro vai assumir o controlo da Embaixada e outras cinco sedes consulares naquela cidade e três em Nova Iorque.

Por outro lado, explicou que desertaram 11 dos 56 funcionários venezuelanos acreditados nos EUA e que manifestaram "reconhecer o Governo do Presidente interino Juan Guaidó e hoje colaboram com a restituição da ordem constitucional".

Na mesma ocasião, o responsável divulgou o Primeiro Relatório do Serviço Diplomático e Consular da Venezuela nos EUA, dando conta da "situação atual do serviço consular" venezuelano em território norte-americano.

"O regime de (Nicolás) Maduro destruiu a rede de serviço consular (...) estamos a rever a relação contratual de arrendamento das sedes consulares, com os seus proprietários", disse.

O documento sublinha que, além de encerrados e desmantelados os escritórios do serviço consular, foram levados 3500 "passaportes por entregar, carimbos e prorrogas por entregar".

Acrescenta também que os funcionários ao serviço de Nicolás Maduro ficaram com os pagamentos por serviços prestados, etiquetas de vistos e películas de proteção, o hardware que servia de ponte informático com a Venezuela e os "enlaces" com o Serviço Administrativo de Identificação Migração e Estrangeiros e com o Conselho Nacional Eleitoral venezuelano.