Câmara dos Representantes

Os lusodescendentes (e a primeira mulher) que venceram as eleições nos EUA

Os lusodescendentes (e a primeira mulher) que venceram as eleições nos EUA

Há sangue luso entre os norte-americanos eleitos nas eleições intercalares dos Estados Unidos desta terça-feira. De entre os cinco candidatos de origem portuguesa que concorriam à Câmara dos Representantes, venceram quatro.

Lori Trahan, a primeira mulher lusodescendente a ser eleita para o Congresso

​​​​​​Lori Loureiro Trahan, 44 anos, tornou-se a primeira mulher lusodescendente a ter assento no Congresso norte-americano, ao ter sido eleita, nas eleições intercalares dos EUA desta quarta-feira, para a Câmara dos Representantes do Estado de Massachusetts. Com 72% dos votos divulgados, Lori vai vencendo por 61,9%.

Esta foi a primeira vez que a profissional de marketing e consultoria, que entre 1995 e 2005 chefiou a equipa de um membro da Câmara dos Representantes, concorreu a um cargo federal. Em setembro deste ano, a lusodescendente, nascida e criada naquele Estado norte-americano, venceu a nomeação democrata nas eleições primárias do 3.º distrito eleitoral, contra outros nove candidatos. Lori Trahan é apoiada por grandes figuras do Partido Democrata de Massachusetts, como a senadora Elizabeth Warren.

Neta de um imigrante português e de uma imigrante brasileira, Trahan quer dar o seu contributo na legislação da educação, do trabalho, da saúde, imigração, drogas e controlo de armas. As linhas orientadoras da congressista eleita incluem a defesa da igualdade de género, o aumento da participação política das mulheres e a implementação de medidas de proteção financeira das famílias.

"Como mãe, residente de sempre do distrito, antiga chefe de equipa no Congresso e dona de um pequeno negócio, ninguém se vai esforçar mais pelas famílias das classes trabalhadoras", garantiu Lori numa entrevista, antes das eleições. Trahan conta com o apoio do diário "Boston Globe", o maior jornal do estado do Massachussets e um dos maiores dos EUA. Num editorial, o jornal elogiou o empenho de Lori em matérias de educação, considerando-a a candidata ideal para os eleitores "usarem" no assalto democrata ao poder na Câmara dos Representantes.

O Estado de Massachussetts não elege nenhum republicano para a Câmara dos Representantes há 12 anos.

Jim Costa vence oitavo mantado consecutivo

Manuel James Costa, ou Jim Costa, foi reeleito para a Câmara dos Representantes com 54,4% dos votos, contra os 45,6% da republicana Elizabeth Heng. Nascido na Califórnia, o membro do Partido Democrata está na política deste 1978 e é congressista desde 2004. Venceu as primeiras eleições no 20.º distrito, foi eleito quatro vezes e, em 2012, devido ao recenseamento e à mudança de distritos, foi obrigado a concorrer no 16.º distrito, vencendo agora o oitavo mandato consecutivo.

Tem raízes portuguesas por parte dos avós, que emigraram dos Açores para os Estados Unidos. Criado numa fazenda de gado leiteiro em Kearney Park, Fresno, o congressista de 66 anos faz parte da terceira geração de agricultores da família. Como membro do Congresso, Costa aplicou a experiência agrícola na luta pela água, agricultura e economia local de San Joaquin Valley.

Devin Nunes, o "amigo próximo" de Trump

O republicano Devin Nunes venceu com 55,8% dos votos aquela que era considerada a eleição mais renhida da carreira, contra o democrata Andrew Janz (44,2%). Membro dos departamentos de Comércio e Saúde dos EUA, Nunes foi eleito para a Câmara dos Representantes pela primeira vez em 2002, pelo 21.º distrito da Califórnia. Em 2010, com o recenseamento e a mudança de distritos eleitorais, passou a concorrer no 22.º distrito, muito rural, pelo qual veste a camisola desde 2012. A sua grande base de apoio vem dos agricultores, a quem prometeu proteger a água e a irrigação dos campos, apesar dos protestos dos ambientalistas locais.

Apoiante de Donald Trump e membro da equipa de transição do governo norte-americano, Nunes ajudou o presidente eleito a escolher os membros da nova administração. Preside a Comissão de Serviços Secretos da Câmara dos Representantes, refutando as suspeitas de que a ajuda russa ditou a vitória republicana em 2016. O "The New York Times" descreve Nunes como um "amigo próximo" de Donald Trump, relação que poderá explicar a queda de votos a nível local (nas intercalares de 2016, foi eleito com 68%).

David Valadao, o apoiante de Trump que é filho de pais açorianos

A concorrer também na Califórnia, no 21.º distrito, o republicano David Gonçalves Valadao (53,7%) venceu o democrata TJ Cox (46,3%). Na política desde 2010, o luso-americano tornou-se congressista em 2012. Valadao, que já tinha sido eleito três vezes, conseguiu agora quarto mandato.

Filho de pais açorianos, Valadao foi dos primeiros republicanos a apoiar publicamente a candidatura de Trump à Casa Branca, tendo votado favoravelmente ao presidente, na Câmara dos Representantes, em 98,9% das vezes, segundo a plataforma FiveThirtyEight, que faz uma análise estatística que acompanha a tendência de voto de cada congressista. Ainda assim, e embora tenha votado sempre consensualmente com o Partido Republicano, foi crítico da administração no que diz respeito a matérias de imigração.

Manny Santos, o republicano nascido em Portugal

Manuel Santos - Manny Santos no campo da política - foi o único candidato que nasceu em solo português e também o único que ficou de fora do Congresso. Candidato republicano no 5.º distrito do Connecticut, Santos, que já tinha sido autarca na cidade de Meriden, concorreu num Estado tradicionalmente democrata e perdeu por 44,1% contra os 55,9% da congressista Jahana Hayes. Ao ser eleita, Hayes tornou-se na primeira congressista afro-americana a ser eleita naquele Estado.

Antigo soldado da Marinha, Manny Santos assume-se pró-Trump, partilhando da ideia da construção de um muro na fronteira dos EUA com o México, e das leis que permitem o porte de armas.

ver mais vídeos