Ataques

Os portugueses que já morreram às mãos de terroristas

Os portugueses que já morreram às mãos de terroristas

O novo milénio arrancou com uma mancha de sangue que ninguém esquece. O dia 11 de setembro de 2001 abalou o Mundo ocidental com o atentado que teve como epicentro Nova Iorque. Morreram quase três mil pessoas naquela manhã que viu as Torres Gémeas desaparecerem do mapa. Cinco portugueses morreram nesse dia. Mais dez portugueses morreram em ataques terroristas nos anos seguintes. Rui Lucas foi a última vítima portuguesa do terrorismo internacional, ao morrer este domingo, no Sri Lanka, num ataque que vitimou, pelo menos, 290 pessoas.

11 de setembro de 2001, Nova Iorque: António Rocha, Carlos da Costa, João Aguiar, Manuel da Mota e António Rodrigues não sobreviveram aos atentados de 11 de setembro, nos EUA.

12 de outubro de 2002, Bali: Os atentados de 2002 contra os espaços noturnos Sari Club e Paddy's Bar, na zona de Kuta, na ilha de Bali, levados a cabo pelo grupo Jemaah Islamiyah, ligado à Al-Qaeda, causaram a morte a 202 pessoas, entre as quais um português. Diogo Manuel Dantas Ribeirinho, de 20 anos, soldado paraquedista, estava ao serviço das Nações Unidas em Timor.

28 de abril de 2011, Marraquexe: André Silva fazia parte de um grupo de quatro amigos que estava na esplanada do café Argana, na célebre praça Jamaa el-Fna de Marraquexe, pouco antes do meio-dia, quando ocorreu a explosão. André da Silva e um dos amigos, suíço, tiveram morte imediata.

Abri de 2014, Mali: Um grupo jiadista, que atua no Mali, anunciou a morte do refém francês de origem portuguesa Gilberto Rodrigues Leal, raptado em novembro de 2012 no oeste do país.

26 de junho de 2015, Tunísia: Maria da Glória Moreira, de 76 anos, foi a primeira vítima portuguesa do denominado Estado Islâmico (EI). Foi uma das 38 vítimas do ataque na Tunísia. Professora reformada, viúva, Maria da Glória foi de férias para a Tunísia em memória dos bons tempos que passou naquele país africano com o marido, falecido dois anos antes.

13 de novembro de 2015, Paris: Manuel Colaço Dias, 63 anos, e Précilia Correia, 35 anos, morreram na sequência dos atentados que marcaram aquela sexta-feira 13 em Paris.

15 de janeiro de 2016, Burkina Faso: António Basto, 51 anos, português de nascença, morreu num atentado reivindicado pela al-Qaeda do Magrebe Islâmico (AQMI). Casado com uma cidadã francesa, era pai de quatro filhos.

17 de agosto de 2017: Avó e neta tinham chegado poucas horas antes do atentado em Barcelona. Estavam de férias e decidiram dar um passeio nas Ramblas.

21 de abril de 2019:Rui Lucas, de 31 anos e natural de Viseu, estava em lua de mel no Sri Lanka. Morreu no hotel Kingsbury, na sequência de uma explosão.

Imobusiness