Estado Islâmico

Pais detidos por tentar ajudar filho acusado de terrorismo

Pais detidos por tentar ajudar filho acusado de terrorismo

Um casal de britânicos foi detido por tentar enviar dinheiro para o filho comprar uns óculos. O problema é que o filho vive na Síria e está acusado de combater nas fileiras do autoproclamado Estado Islâmico.

Jack Letts, de 20 anos, foi identificado pelas autoridades como "Jihadi Jack", o primeiro britânico branco a juntar-se ao grupo terrorista. Converteu-se ao islamismo e mudou-se de Oxford para a Síria, onde casou com uma iraquiana e teve um filho, Muhammed.

Segundo os seus pais, Sally Lane e John Letts, Jack sofreu de distúrbio obsessivo-compulsivo "muito grave" na adolescência, o que foi tornando a sua personalidade cada vez mais "peculiar", explicou o pai à "4 News".

Os pais de Jack garantem que o filho não é combatente do autodenominado Estado Islâmico e desafiam quem tiver provas a apresentá-las. "Se me mostrarem evidências serei o primeiro a acreditar e a participar às autoridades", assegura o pai. "Não quero um filho capaz de fazer esse tipo de coisas, não foi assim que foi educado, ele não é assim", acrescenta.

Nesse sentido, Sally e John não entendem por que motivo não podem ajudar o filho a comprar uns óculos e alegam que, como quaisquer pais, estão preocupados com a sua saúde e bem-estar.

"Ele tem enviado mensagens desesperadas, a dizer quem tem passado frio, fome, que não vê. Sabemos que, legalmente, não podemos ajudá-lo. Simplesmente não consigo compreender isso", diz John.