Terrorismo

Pelo menos 25 mortos após ataque na Caxemira indiana

Pelo menos 25 mortos após ataque na Caxemira indiana

O número de mortos num ataque com um veículo armadilhado contra uma escolta perto de Srinagar, na Caxemira indiana, subiu para 25, anunciou esta quinta-feira a polícia.

Munir Ahmed Khan, oficial da Força de Polícia da Reserva Central (CRPF), referiu que 25 membros das forças indianas na Caxemira foram mortos, sem avançar com o número ou condições dos feridos.

Outro responsável da CRPF, indicou, sob a condição de anonimato, que o ataque provocou 29 feridos.

Um balanço da agência de notícias Press Trust of India apontou para mais de 30 mortos entre os 2.500 dessa escolta paramilitar de 78 veículos.

"Os sacrifícios dos nossos bravos membros das forças de segurança não serão em vão", escreveu o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, na sua conta da rede social Twitter.

O ataque, que ocorreu numa estrada a cerca de 20 quilómetros de Srinagar, é o mais mortal na Caxemira indiana desde 2017.

A imprensa local noticiou, citando um comunicado da organização islâmica Jaish-e-Mohammed (JeM), com base no Paquistão, que este grupo reivindicou o ataque.

Muhammad Hassan, porta-voz da JeM, indicou, em comunicado divulgado pela agência Global News Service, que "dezenas de veículos das forças de segurança foram destruídos no ataque".

O porta-voz identificou ainda Aadil Ahmad como o autor do atentado.

A Índia acusou o Paquistão de apoiar o "terrorismo transfronteiriço" e de permitir e promover o funcionamento no seu território de grupos terroristas que visam atacar alvos indianos e provocar protestos entre a população da Caxemira.