Confrontos

Pelo menos dois mortos em dia de eleições na RDCongo

Pelo menos dois mortos em dia de eleições na RDCongo

Pelo menos duas pessoas foram mortas e duas ficaram feridas em confrontos este domingo, dia de eleições, na República Democrática do Congo, onde se verificaram falhas técnicas e atrasos no processo eleitoral.

Mais de 39 milhões de congoleses foram chamados às urnas para escolher o sucessor do presidente Joseph Kabila, e os deputados nacionais e provinciais de 75781 colégios eleitorais.

De acordo com a agência de notícias EFE, as urnas deveriam encerrar às 17 horas horas locais (16 horas em Portugal continental), mas muitas continuaram abertas até mais tarde, devido a atrasos no processo.

Os principais problemas foram a falta de boletins de voto ou de máquinas, atrasos na abertura das urnas ou dificuldades com a lista eleitoral, informou a Conferência Episcopal, a única missão nacional acreditada para observação.

Kabila, que chegou ao poder após o assassinato do pai, Laurent Kabila, em 2001, votou cedo, no bairro de Gombe, perto da sua residência presidencial, em Kinshasa.

Pouco depois, no mesmo lugar, votou o candidato oficial, o ex-vice-primeiro ministro, Emmanuel Ramazani Shadary, escolhido por Kabila para a sua sucessão.

No mesmo centro de voto esteve um dos candidatos da oposição, Martin Fayulu, grande favorito nas sondagens, enquanto o último importante aspirante a presidente a votar foi Félix Tshisekedi, líder do maior partido da oposição.

A jornada foi marcada por vários incidentes violentos, como o ocorrido na cidade de Walungu, província de Kivu do sul, onde as forças de segurança mataram duas pessoas e feriram outras duas, confirmou à EFE Willy Wilondja, representante da sociedade civil da província.

Os resultados finais das eleições serão publicados a 05 de janeiro e, se não acontecerem imprevistos, o novo presidente assumirá o cargo a 18 de janeiro.

A República Democrática do Congo tornou-se independente da Bélgica em 1960.

Imobusiness