EUA

Polícias expulsos por terem sugerido que congressista devia levar um tiro

Polícias expulsos por terem sugerido que congressista devia levar um tiro

Dois polícias do Estado do Louisiana, nos EUA, foram despedidos depois de, através das redes sociais, terem sugerido que a congressista Alexandria Ocasio-Cortez, eleita pelo Partido Democrata, e uma das vozes mais ativas na contestação a Donald Trump, fosse atingida a tiro.

Charles Rispoli escreveu no Facebook, na passada semana, que a congressista, eleita por Nova Iorque, era uma "idiota" e que deveria levar um tiro. Um outro polícia fez um "gosto" na publicação. Os dois foram afastados da polícia na segunda-feira.

Segundo a BBC, o chefe da polícia de Gretna, Arthur Lawson, reagiu ao incidente: "É uma vergonha para o nosso departamento".

A polémica publicação foi feita poucos dias depois de o presidente Donald Trump ter feito um comentário racista, através do Twitter, contra Alexandria e três outras democratas que marcam presença no congresso, e que representam uma das vozes mais ativas na contestação contra o atual presidente.

Numa longa mensagem na sua rede social favorita, Trump disse que as quatro mulheres, todas com cidadania norte-americana, deveriam voltar ao seu país de origem.

"É tão interessante ver congressistas democratas progressistas, que vieram originalmente de países cujos governos são uma catástrofe total e completa, o pior (que existe), os mais corruptos e inaptos do mundo (se é que têm sequer governos a funcionar), a dizer agora, em voz alta e agressivamente, ao povo dos Estados Unidos, a maior e mais poderosa nação do mundo, como é que o nosso governo deve ser administrado", escreveu Trump no Twitter. "Porque é que não voltam (para os seus países) e vão ajudar os sítios completamente estragados e infestados de crime de onde vieram?", questionou na mesma rede social.

A mensagem de Trump foi prontamente criticada por vários elementos do partido democrata, assim como por membros do seu próprio partido.

As notícias falsas que tramaram os polícias

Charles Rispoli, da polícia de Gretna, estava a responder a uma publicação de um site de conteúdos satíricos que falsamente alegava que a congressista acreditava que as tropas norte-americanas recebiam um salário mais alto do que aquilo que deviam.

"A atitude dos polícias é pouco profissional e alude a um ato violento contra uma congressista norte-americana", adiantou Arthur Lawson.

Os dois polícias são acusados de terem violado as regras de utilização das redes sociais e, por isso mesmo, acabaram por ser despedidos.