Manifestação

Polícias terão violado jovens no México e população protestou na rua

Polícias terão violado jovens no México e população protestou na rua

Centenas de manifestantes saíram às ruas, esta segunda-feira, na Cidade do México, de forma a pedir justiça para duas adolescentes que foram, alegadamente, abusadas sexualmente por polícias.

O primeiro caso envolve uma jovem de 17 anos que acusa quatro polícias de a violarem no carro de patrulha em Azcapotzalco, norte da capital mexicana, a 3 de agosto. O caso gerou polémica, sendo que a procuradora da cidade, Ernestina Godoy, admitiu na semana passada que os polícias ainda não foram acusados, porque as autoridades estão à espera que a vítima identifique os responsáveis.

No outro caso, apenas seis dias depois, uma menina de 16 anos disse que um polícia a violou num museu no centro da cidade. O agente em questão foi detido na quinta-feira.

Cerca de 300 manifestantes, predominantemente mulheres, saíram à rua numa manifestação que se dirigiu à sede da polícia da cidade e à procuradoria, na segunda-feira, para mostrar raiva contra os dois casos recentes e procurar justiça pelas jovens. A polícia "não protege, mas viola", disseram.

Claudia Sheinbaum, a primeira presidente mulher eleita da Cidade do México, vê a manifestação como uma "provocação". "Não vamos cair na provocação. Eles queriam que o governo usasse métodos violentos e não vamos cair nisso. Haverá uma investigação dos casos e o ministério público resolverá". "Devido à gravidade do caso" a Comissão de Direitos Humanos da Cidade do México vai estar envolvida na investigação, revelou.

A violência contra mulheres é muito comum no México. De acordo com os números das Nações Unidas, em média nove mulheres são assassinadas todos os dias.