Finlândia

Populistas finlandeses expulsos do Governo após viragem à direita

Populistas finlandeses expulsos do Governo após viragem à direita

O primeiro-ministro finlandês, Juha Sipilä, e o líder conservador, Petteri Orpo, decidiram romper a coligação tripartida com o partido populista Verdadeiros Finlandeses, que promoveu uma viragem à direita radical com a nova direção.

Sipilä e Orpo mantiveram uma reunião de duas horas com o novo líder populista, o eurodeputado Jussi Halla-aho, para analisar a possibilidade de manter a atual coligação governamental para os dois últimos anos da legislatura.

No final do encontro, e através de uma mensagem na rede social Twitter, consideraram "não existir condições necessárias para manter a cooperação com os Verdadeiros Finlandeses dirigidos por Halla-aho".

Sipilä e Orpo convocaram para esta tarde uma reunião dos seus grupos parlamentares para aprovar a expulsão dos populistas da coligação tripartida, enquanto analisam diversos cenários para evitar legislativas antecipadas.

No sábado, dois mil delegados dos Verdadeiros Finlandeses elegeram em congresso na cidade de Jyväskylä (centro do país) uma nova direção e presidente, que vai ocupar o lugar do fundador e líder histórico do partido, Timo Soini.

O conclave do partido confirmou a hegemonia entre os delegados da ala mais ultradireitista e xenófoba do partido, que elegeram Halla-aho por larga maioria, um político condenado em 2012 por publicar no seu blogue opiniões racistas e anti-islâmicas.

Entre outras afirmações, o novo líder populista escreveu que os muçulmanos são propensos à pedofilia e que os somalis, o maior grupo de refugiados na Finlândia, são a "escória de África e pertencem a uma raça inferior".