Inglaterra

Português fingiu ser vítima do fogo em Grenfell e ficou nove meses em hotel

Português fingiu ser vítima do fogo em Grenfell e ficou nove meses em hotel

Um cidadão português a viver em Inglaterra foi detido, na quinta-feira, suspeito de se ter feito passar por vítima do incêndio que afetou a Torre Grenfell, Londres, em junho de 2017.

Segundo a imprensa britânica, António Gouveia, de 33 anos, recebeu cerca de 53 mil libras (59 mil euros) em ajudas destinadas aos sobreviventes e familiares das vítimas do incêndio, tendo vivido durante 289 dias, de forma gratuita, num hotel. E ainda se apropriou de subsídios de alimentação que não lhe eram devidos.

O procurador Henry Fitch afirmou em tribunal que António Gouveia "disse às autoridades que residia na Torre Grenfell e que estava lá na noite (em que deflagrou o incêndio)". "Deram-lhe 60 libras em dinheiro (67 euros) e acomodação no Cumberland Hotel", que cobra 155 libras (173 euros) por noite. O português fingiu que morava num apartamento da Torre Grenfell, onde vivia, na realidade, uma mulher idosa que nunca tinha ouvido falar do homem.

Segundo a BBC, Gouveia, que já tinha cadastro judicial, está a ser julgado por fraude. Encontra-se detido sem direito a fiança e deverá conhecer a sentença a 31 de agosto.

António Gouveia tinha-se divorciado há pouco tempo e estava a fazer "couch surfing" (serviço de hospedagem gratuita) no momento em que cometeu os factos que lhe são imputados.

O português é o 11.º detido por suspeitas do mesmo tipo de fraude relacionada com o incêndio da Torre Grenfell, que provocou 71 vítimas mortais. O governo britânico disponibilizou uma verba de seis milhões de euros para ajudar as famílias afetadas.