Óbito

Presidente da Tunísia morreu aos 92 anos

Presidente da Tunísia morreu aos 92 anos

O Presidente da Tunísia, Béji Caïd Essebsi, de 92 anos, morreu, esta quinta-feira, após ter sido hospitalizado nos cuidados intensivos há algumas horas, anunciou a Presidência tunisina na sua página na rede social Facebook.

O primeiro Presidente democraticamente eleito em 2014, três anos após a queda de Zine el Abidine Ben Ali, Essebsi morreu alguns meses antes do fim do seu mandato.

Um responsável do gabinete do Presidente confirmou à Associated Press que Essebsi morreu hoje pela manhã, no hospital militar de Tunes, para onde foi levado na noite anterior.

O Presidente já tinha sido hospitalizado outras duas vezes nas últimas semanas.

De acordo com a constituição da Tunísia, o presidente do parlamento assumirá a Presidência entre 45 e 90 dias, enquanto são organizadas eleições.

Essebsi foi eleito para o cargo em 2014, na sequência da revolta da Primavera Árabe no país, que resultou na retirada do poder do Presidente Zine el Abidine Ben Ali.

Béji Caïd Essebsi anunciou recentemente que não concorreria na eleição marcada para novembro, dizendo que uma pessoa mais jovem deveria liderar o país.

De acordo com a agência de notícias francesa AFP, a morte do Presidente aconteceu no dia em que a Tunísia celebra a proclamação da República, que aconteceu em 1957, geralmente marcada por um discurso do chefe de Estado.

A televisão nacional parou os seus programas para transmitir versos do Corão, antes de anunciar que o Presidente havia morrido hoje às 10:25, horário local (a mesma hora em Lisboa).

Veterano da política tunisina, Essebsi era o mais velho chefe de Estado do mundo em funções depois da Rainha Isabel II.

Serviu nos governos dos Presidentes Habib Bourguiba (1957-1987) e Zine el Abidine Ben Ali (1987- 2011), antes de ele mesmo assumir a Presidência em 2014, com a paradoxal missão de consolidar a jovem democracia.

A Tunísia é o único país tocado pelos desafios da Primavera Árabe em 2011 que continua no caminho da democratização.