Brasil

Presidente do Brasil promete "pacto nacional" para melhoria de serviços públicos

Presidente do Brasil promete "pacto nacional" para melhoria de serviços públicos

A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, prometeu, sexta-feira à noite, que negociará com governadores e prefeitos um "grande pacto" em torno da melhoria dos serviços públicos e para elaborar um "plano nacional de transporte urbano", em resposta às manifestações da última semana, que já causaram pelo menos dois mortos.

"Irei conversar nos próximos dias com os chefes, governadores e prefeitos para um grande pacto em torno da melhoria dos serviços públicos e a elaboração do plano nacional de transporte urbano", afirmou a líder brasileira durante uma comunicação ao país.

Na declaração, que durou cerca de 10 minutos, a presidente brasileira reconheceu a legitimidade das reivindicações feitas pelos brasileiros nas últimas semanas, mas condenou os atos de vandalismo e salientou serem atos de uma minoria.

"É minha obrigação, como presidente, ouvir a voz das ruas e dialogar com todos os segmentos, mas tudo dentro do primado da lei e da ordem", ressaltou.

Dilma Rousseff recordou o seu passado de contestação ao destacar que sua geração também foi à rua para tornar o Brasil num país democrático e reforçou a importância de manter as instituições públicas e a representatividade dos partidos políticos.

"Quero contribuir para uma ampla e profunda reforma política que amplie a participação popular, mas é um equívoco achar que qualquer país pode prescindir de partidos", afirmou ao defender "mecanismos de controlo e transparência" para que o cidadão tenha acesso aos dados e às despesas do governo.

A presidente justificou ainda, brevemente, as despesas com o Mundial de 2014 - a ressaltar tratar-se de financiamentos feitos a empresas privadas que serão mais tarde pagos aos cofres do Estado - e apelou aos brasileiros para que recebam hospitalidade e carinho os estrangeiros que chegarão ao Brasil para os jogos.

"O Brasil sempre foi bem recebido em toda parte, precisamos dar aos nossos povos irmãos o mesmo acolhimento que recebemos deles. Respeito, carinho e alegria, é assim que devemos tratar os nossos hóspedes", concluiu.

Focos de manifestações ainda ocorrem esta noite no Rio de Janeiro e em São Paulo, porém de forma mais dispersa e com um menor número de participantes.

Na quinta-feira, os protestos reuniram mais de um milhão de pessoas em todo o país. Com o registo de cenas de vandalismo em algumas capitais, no entanto, o Movimento Passe Livre, que iniciou os protestos, anunciou hoje que não convocaria novos atos.