Venezuela

Presidente interino da Venezuela garante que vai vencer eleições

Presidente interino da Venezuela garante que vai vencer eleições

O presidente interino da Venezuela, Nicolas Maduro, declarou-se este sábado convicto da sua vitória nas eleições que devem decorrer dentro de um mês e anunciou uma visita à China do ministro do petróleo.

"Em breve, e logo após as eleições no nosso país, iremos com o triunfo na mão para ratificar em nome do espírito do nosso comandante Chávez esse caminho de colaboração com a China por mais 100 anos", disse Maduro durante uma reunião com a delegação do país asiático que compareceu ao funeral do antigo Presidente Hugo Chávez, que morreu terça-feira vítima de um cancro na zona pélvica detetado em 2011.

De acordo com a Constituição, as eleições presidenciais deverão ser convocadas no prazo de um mês para decidir quem vai concluir o mandato de Chávez, reeleito em 7 de outubro pela terceira vez.

Maduro, 50 anos, que na sexta-feira prestou juramento na Assembleia Nacional como "presidente encarregado", ocupava o cargo de vice-presidente e vai ser o candidato oficial ao escrutínio presidencial, um desejo manifestado por Chávez em 8 de dezembro, quando admitiu a possibilidade da sua morte.

O presidente da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, Zhan Ping, encabeçou a delegação chinesa e foi informado por Maduro que o ministro do Petróleo, Rafael Ramírez, visitará o país asiático "nas próximas semanas".

A delegação do gigante asiático entregou uma carta de condolências a Maduro do Presidente chinês Hu Jintao, que exprime a "profunda dor do povo chinês" pela morte, aos 58 anos, de "El Comandante".

A China é o segundo parceiro comercial da Venezuela, com um volume de negócios anual que supera dos 12 mil milhões de dólares (9.1 mil milhões de euros), em particular pelos cerca de 500 mil barris de petróleo que o país da América do Sul exporta diariamente para o país asiático.