Refugiados

Primeiro-ministro da Finlândia já não vai dar abrigo a refugiados

Primeiro-ministro da Finlândia já não vai dar abrigo a refugiados

O primeiro-ministro da Finlândia, Juha Sipila, recuou na promessa de acolher refugiados na sua casa de campo por razões de segurança, anunciou esta terça-feira um responsável da segurança do governo.

"O primeiro-ministro decidiu que, nesta fase, ninguém será colocado na sua residência de Kempele, disse à agência France Presse o chefe da segurança governamental, Jari Ylitalo.

O primeiro-ministro, um antigo empresário que dirige o governo desde maio, prometeu em setembro, numa intervenção na televisão estatal, receber refugiados na sua casa de campo, em Kempele, cerca de 500 quilómetros a norte de Helsínquia.

Sipila afirmou na altura esperar que o gesto desse origem "a algum tipo de movimento popular que inspire muitos outros a partilhar o fardo desta crise de alojamento de refugiados".

A Finlândia recebeu em 2015 um número recorde de refugiados, 32.000, sobretudo do Iraque.

A oferta de Sipila foi criticada por alguns setores como uma forma de atrair ainda mais migrantes para o país, mas, segundo Ylitali, o recuo baseia-se numa "avaliação de segurança".

"Uma das principais razões foi o local ter-se tornado tão público e o assunto ter suscitado tanta atenção. Quais eram as hipóteses de uma família se mudar para lá e começar uma vida nova em paz?", questionou o responsável.

Na semana passada, o Ministério do Interior finlandês anunciou que vai recusar 20.000 dos 32.000 pedidos de asilo apresentados em 2015 e que essas pessoas serão expulsas.