Redes

Roubados dados de 29 milhões de utilizadores do Facebook

Roubados dados de 29 milhões de utilizadores do Facebook

A rede social Facebook revelou esta sexta-feira, em comunicado, que piratas informáticos acederam aos dados de 29 milhões de utilizadores para roubar informação. São menos do que os 50 milhões que inicialmente acreditavam ter sido afetados na violação de segurança divulgada há duas semanas.

Segundo o comunicado, citado pela imprensa internacional, os "hackers" acederam a nomes, endereços de e-mail ou números de telefone dessas contas. A cerca de 14 milhões de utilizadores, foram ainda roubadas informações como a cidade natal, a data de nascimento, os últimos 10 locais que frequentaram ou as 15 pesquisas mais recentes.

Por volta de um milhão de contas foram afetadas, mas os "hackers" não obtiveram nenhuma informação.

O Facebook não adiantou a localização dos diferentes utilizadores, mas afirma que a violação foi "razoavelmente ampla". A rede social vai enviar mensagens para as pessoas cujas contas foram afetadas.

A empresa garante ainda que outras aplicações, como o "WhatsApp" ou "Instagram", não foram afetadas pela violação.

Facebook alerta para ataques de menor escala

O FBI estará a investigar a situação e pediu que a empresa não discuta quem pode estar por trás do ataque. O Facebook não descarta a possibilidade de ataques em menor escala que usem a mesma vulnerabilidade.

O Facebook explica que os "hackers" terão acedido às contas depois de roubar as chaves digitais que a empresa usa para manter os utilizadores "online". Os piratas podem fazer isso ao explorar três "bugs" distintos no código do Facebook. A empresa informou que já corrigiu os "bugs" e desconectou os utilizadores afetados para redefinir essas chaves.

O CEO da empresa Mark Zuckerberg - cuja conta foi também comprometida - disse que os "hackers" teriam a capacidade de visualizar mensagens privadas ou publicar na conta de alguém, mas não há ainda sinal de que isso tenha acontecido.