Mundo

Roubou 11 milhões, mas entregou-se

Roubou 11 milhões, mas entregou-se

A fuga do transportador de valores Toni Musulin, uma estrela na internet depois de ter desviado mais de 11 milhões de euros a 05 de Novembro em Lyon (centro-leste), terminou hoje, segunda-feira, com a sua rendição no Mónaco.

A forte pressão da Polícia, que o procurava por toda a Europa, obrigou finalmente Musulin, que há dez anos trabalhava na sociedade de transporte de segurança Loomis, a entregar-se numa esquadra da polícia do Mónaco, informou a imprensa local.

Musulin, que chegou ao Mónaco numa moto de aluguer, declarou aos agentes que era procurado pelos serviços de polícia e que estava lá para se entregar, indicou o director da Segurança monegasca André Mulhberger, precisando que o homem tinha uma barba de dez dias e estava visivelmente fatigado.

Foi a primeira vez que um transportador roubou o conteúdo da sua própria carrinha. Era procurado desde essa altura por toda a Europa.

Em apenas alguns dias, Toni Musulin tornou-se numa estrela da internet, onde é saudada "a audácia" de uma fuga sem precedentes.

A maior parte do dinheiro roubado - mais de nove milhões de euros - tinha sido encontrada pela polícia de Lyon, a leste de França, na semana passada, numa garagem alugada pelo alegado ladrão, próximo do local onde a carrinha vazia tinha sido abandonada.

A pedido da França, a Interpol havia lançado um "aviso azul" aos seus 185 países membros, pedindo-lhes que transmitissem informações sobre a identidade e as actividades do então fugitivo.

Os investigadores franceses procuravam, entre outras pistas, a sua possível fuga com o dinheiro para algum país do Leste, devido às origens servo-croatas de Musulin.

O Governo monegasco decidiu entregá-lo imediatamente à polícia judicial de Nice (sudeste), que o receberá no "Jardim Exótico", estabelecimento situado na fronteira entre ambos os países.

Toni Musulin, que trabalhava há dez anos para a Loomis, grupo sueco de transporte de fundos, desapareceu a 05 de Novembro de manhã ao volante da sua carrinha blindada numa altura em que os seus dois colegas tinham saído para trazer nova remessa.

Duas horas depois de a viatura ter desaparecido, a carrinha vazia foi encontrada nos arredores de Lyon, não muito longe de onde, dois dias depois, a 07 de Novembro, a maior parte do saque foi descoberta numa dezena de sacos.

Por se tratar de um roubo sem violência, Musulin, de 39 anos, poderá ser condenado a apenas três anos de prisão.

ver mais vídeos