Mundo

"Selfie" com vítima decapitada em Lyon foi enviada para a Síria ou Iraque

"Selfie" com vítima decapitada em Lyon foi enviada para a Síria ou Iraque

Yassin Salhi, o presumível autor do ataque de sexta-feira na cidade francesa de Lyon, enviou para alguém na Síria ou no Iraque a fotografia do patrão, que confessou ter decapitado, segundo fontes próximas da investigação.

A macabra "selfie" (autorretrato) do patrão decapitado foi tirada por Yassin Salhi durante um ataque contra uma fábrica de gás industrial de Lyon, onde Yassin Salhi foi detido, logo na sexta-feira.

De acordo com fontes próximas da investigação, a fotografia foi enviada a partir do computador de Yassin Salhi, através do serviço de mensagens instantâneas WhatsApp, para um número no Canadá, mas os investigadores concluíram que o destinatário final encontra-se na zona de combates fundamentalistas na Síria ou no Iraque.

Depois de um primeiro interrogatório, no qual confessou ter decapitado o patrão, Herve Cornara, de 54 anos, e forneceu "detalhes sobre as circunstâncias" do homicídio, Yassin Salhi, de 35 anos, casado e pai de três filhos, já foi transferido para Paris, onde será interrogado pela polícia antiterrorismo.

Na sexta-feira de manhã, Yassin Salhi pegou na sua carrinha e rumou à fábrica da Air Products, onde foi intercetado pelos bombeiros, quando tentava arrombar uma garrafa de acetona, alegadamente para fabricar uma bomba.

Pouco depois, a polícia descobriu a cabeça decepada do patrão de Salhi à porta da fábrica onde se encontravam duas bandeiras com inscrições em muçulmano.

As autoridades antiterrorismo francesas identificaram 473 pessoas que deixaram o país para combater no Iraque e na Síria, mas o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, disse hoje que 1.800 residentes no país estão ligados, de alguma forma, a grupos extremistas islâmicos.

Fontes próximas da investigação disseram que Salhi se tornou radical uma década depois de manter contactos com um muçulmano convertido, que é suspeito de preparar atentados na Indonésia para militantes da rede terrorista Al-Qaida.

Imobusiness