Mundo

Senador tira gravador de repórter no Brasil

Senador tira gravador de repórter no Brasil

Um senador brasileiro tirou o gravador de um jornalista e ameaçou agredi-lo, irritado com uma pergunta "incómoda" sobre a reforma que aufere. Uma situação que lembra a do deputado português Ricardo Rodrigues.

O senador brasileiro Roberto Requião desentendeu-se com um repórter da "Rádio Band". O parlamentar não terá gostado de uma pergunta feita pelo jornalista Victor Boyadjian sobre a reforma que recebe, no valor de 24117 reais (10500 euros), desde que deixou o governo do Paraná, ano passado.

Irritado, tirou o gravador das mãos do jornalista e ainda o ameaçou. "Já pensou em apanhar, rapaz?", disse Roberto Requião, em frente a um grupo de repórteres, antes de ir embora com o aparelho.

Victor Boyadjian seguiu o parlamentar pelos corredores do Senado, insistindo para que Roberto Requião lhe devolvesse o equipamento, sem sucesso. "Ele repetia que tinha vontade de me bater", disse Victor ao site "Ig".

Minutos mais tarde, o senador revelou no seu microblogue o que tinha feito: "Acabo de ficar com o gravador de um provocador engraçadinho. Numa boa, vou apagá-lo". O jornalista só recuperou o aparelho após reclamar na Secretaria de Imprensa do Senado.

O senador Requião voltou a utilizar o "Twitter" para tentar justificar o "roubo" do gravador, alegando ser o "dono" da entrevista. "É minha (a entrevista), divulgo eu, na íntegra e sem edição", escreveu o senador. O parlamentar ainda fez novas publicações, na mesma plataforma, dizendo ter sido vítima de "bullying" e de ter caído numa "armadilha".

Este tipo de caso não é estranho no cenário político de Portugal. Em 2010, o parlamento luso arquivou o caso do deputado socialista Ricardo Rodrigues, acusado de furtar dois gravadores a jornalistas da revista "Sábado", durante uma entrevista.