EUA

Trump quer acabar com lei que limita atividade política do clero

Trump quer acabar com lei que limita atividade política do clero

O Presidente norte-americano prometeu, esta quinta-feira, destruir uma lei que limita a participação e apoio a atividades políticas de grupos religiosos, garantindo que vai proteger a liberdade religiosa.

"Vou acabar (com ela) e destruirei totalmente a 'emenda Johnson' e permitirei que os nossos representantes da fé falem livremente e sem temer represálias", afirmou Donald Trump, no discurso proferido no "National Prayer Breakfast", em Washington.

Este ato mistura política e religião e realiza-se tradicionalmente na primeira quinta-feira de fevereiro.

A chamada "emenda Johnson", introduzida pelo então senador Lyndon B. Jonhson em 1954, que foi posteriormente presidente dos Estados Unidos (1963-1969), estabelece que os credos religiosos e outras organizações isentas de impostos não estão autorizados a fazer campanha ou apoiar abertamente candidatos a cargos políticos.

No seu discurso, Trump alertou que a liberdade religiosa é "um direito sagrado", que está atualmente "sob ameaça", tanto nos Estados Unidos como no resto do mundo.

"O terrorismo é uma ameaça fundamental à liberdade religiosa", sublinhou.

Trump disse que a sua administração fará "tudo o que é possível" para "proteger a liberdade religiosa" no país e que os Estados Unidos "devem ser sempre uma sociedade tolerante onde todos os credos sejam respeitados".

Donald Trump defendeu que os norte-americanos têm que sentir-se seguros e lembrou que começou a tomar "ações necessárias" para alcançar esse objetivo, numa aparente alusão à ordem para impedir temporariamente a entrada nos Estados Unidos de todos os refugiados e cidadãos de sete países de maioria muçulmana (Iraque, Irão, Líbia, Síria, Somália, Sudão e Iémen).

"A nossa nação tem o sistema de imigração mais generoso do mundo" e muitos querem aproveitar-se disse "para minar os valores que tanto queremos" ou com o propósito de "espalhar a violência", denunciou.

O Presidente norte-americano adiantou, sem pormenorizar, que "nos próximos dias, vai ser desenvolvido um sistema para garantir" que as pessoas autorizadas a entrar no país "abraçam plenamente os valores de liberdade religiosa e pessoal".

"Queremos que as pessoas entrem na nossa nação, mas queremos quem nos ama e aos nossos valores, não quem nos odeia", afirmou.