Mundo

Um dos polícias mortos em Paris é muçulmano

Um dos polícias mortos em Paris é muçulmano

Uma das vítimas do ataque terrorista de motivações islâmicas em Paris foi um polícia muçulmano. Ahmed Merabet foi executado a sangue frio, quando estava já no chão, aparentemente ferido pelos tiros dos irmãos Kouachi.

As imagens execução do polícia, que deitado no chão levanta uma mão em aparente pedido de clemência, atestam a crueza dos suspeitos do ataque à sede do Charlie Hebdo, em Paris, que causou 12 mortos, oito jornalistas, dois civis e dois polícias.

Segundo as autoridades, a primeira vítima dos terroristas foi um polícia muçulmano que fazia a ronda a pé na zona, no 11º bairro de Paris, quarta-feira ao fim da manhã. Era casado e não tinha filhos.

Ahmed Merabet, 42 anos, estava no chão, já ferido, quando foi executado a sangue frio. "Queres matar-me?" ouve-se o homem mascarado perguntar ao polícia, num vídeo colocado no Youtube. "Não, está tudo bem, chefe", disse o polícia, antes de ser executado.

Outro polícia, identificado como Franck Brinsolaro, foi também assassinado pelos irmãos Kouachi durante o ataque à sede do "Charlie Hebdo".

Franck Brinsolaro, que deixa mulher e dois filhos, estava destacado como guarda-costas do editor da revista satírica, Stéphane Charbonnier, o cartunista conhecido como Charb, também assassinado.

Além de Charb, morreram mais quatro cartunistas do "Charlie Hebdo", entre estes o veterano e mundialmente aclamado Georges Wolinski, 80 anos, um dos principais impulsionadores da revista satírica, no início dos anos 70 do século passado.

Os cartunistas Jean "Cabu" Cabut, 76 anos, Bernard "Tignous" Verlhac, 57 anos e Philippe Honore, 73 anos, foram também mortos no ataque, que vitimou, ainda, o colunista e economista Bernard Maris, 68 anos, e o revisor de textos Mustapha Ourrad.

A psicanalista e colunista Isa Cayat foi a única mulher vítima do atentado, que custou a vida a mais duas pessoas: Michel Renaud, criador de um festival de artes, Frederic Boisseau, empregado de manutenção para a empresa Sodexo.