Austeridade

Uma centena de feridos após manifestação em Madrid

Uma centena de feridos após manifestação em Madrid

Um total de 101 pessoas, incluindo 67 polícias e 34 manifestantes, foi assistido pelo serviço de emergências durante a "marcha da dignidade" na capital madrilena realizada, sábado, para contestar as medidas de austeridade do Governo espanhol.

Um porta-voz do Samur - Proteção Civil disse à agência Efe que dos 67 agentes, 47 são polícias nacionais e os restantes municipais.

Nove polícias nacionais, dois municipais e 34 manifestantes foram transportados para centros hospitalares.

"Todos apresentam ferimentos ligeiros ou muito leves, como pontos de sutura por cortes, lesões ou contusões", precisou o porta-voz.

Fontes da Direção geral da Polícia classificaram como "selvagens" os ataques sofridos pelos agentes durante os confrontos registados em Madrid nas manifestações.

Um porta-voz da Polícia Nacional disse à Efe que 36 mil pessoas participaram na manifestação, tendo sido realizadas 34 detenções, incluindo de três menores.

A coordenadora 22M, organizadora do protesto, afirmou que participaram mais de dois milhões de pessoas na manifestação.

Sob o lema "Pão, trabalho e teto para todos", os manifestantes, procedentes de diferentes pontos de Espanha, formaram seis colunas, que confluíram na zona de Atocha, de onde iniciaram uma marcha até à praça de Colombo, entre palavras de ordem como "Sim, é possível", "liberdade" ou "os banqueiros que paguem a crise".