O Jogo ao Vivo

Polémica

União Europeia: É preciso perguntar a Trump quem considera seu amigo

União Europeia: É preciso perguntar a Trump quem considera seu amigo

A Alta Representante da União Europeia para a Política Externa considerou, esta segunda-feira, necessário perguntar ao presidente norte-americano "quem considera seu amigo", depois de Donald Trump ter dito numa entrevista que a UE é um "inimigo" do seu país.

"Se eu fosse jornalista, provavelmente estaria a perguntar quem ele (Trump) considera seu amigo", respondeu Federica Mogherini à chegada a um Conselho de Ministros comunitário, quando questionada pela imprensa sobre as últimas declarações do presidente dos EUA.

"Temos muito claro quem são os nossos amigos: os Estados Unidos, com certeza, já disse muitas vezes que uma mudança de governo não altera a amizade entre países e povos", continuou.

A chefe da diplomacia da UE acrescentou ainda: "é certo que consideramos os Estados Unidos um amigo, um parceiro, sempre o faremos".

"Mas também temos muitos outros amigos no mundo, Canadá, Coreia do Sul, Japão - com quem assinamos um acordo comercial amanhã - Austrália, Nova Zelândia", disse a responsável, mencionando igualmente países da América Latina, do Caribe e da África.

Mogherini insistiu: na UE "somos muito claros sobre quem são os nossos amigos e eu espero que o governo dos EUA tenha as mais claras ideias sobre quem são os seus amigos".

"Precisamos de parceiros e amigos, cultivamos as nossas amizades com muita consistência", destacou a política italiana.

Trump considerou no domingo, numa entrevista com a rede americana CBS no seu clube de golfe em Turnberry (Escócia, Reino Unido), que a União Europeia, um dos aliados históricos dos EUA, é agora um "inimigo" do país que governa.

"Bem, acho que temos muitos inimigos, acho que a União Europeia é um inimigo, o que eles nos fazem no comércio, você não pensaria na União Europeia, mas é um inimigo", disse Trump, que também apontou que a Rússia "é inimigo em certos aspetos "e que a China é um "inimigo economicamente".

Os ministros das Relações Exteriores da UE não esperam analisar hoje a primeira reunião oficial entre Trump e o presidente russo Vladimir Putin em Helsínquia, segundo fontes da comunidade, já que não haverá tempo para falar sobre este assunto.

Por seu turno, o ministro belga Didier Reynders comentou as declarações de Trump e disse que os europeus confirmam a "parceria na cimeira da NATO" na semana passada com os Estados Unidos, embora mantenham desacordos no clima ou no comércio.

"Pelo menos, fortalecemos a parceria transatlântica", disse.

Para o funcionário belga, "os EUA são um aliado", uma vez que foram assumidos compromissos concretos em termos de segurança.

Embora haja "divergências com o atual governo dos EUA", eles são "parceiros de longa data", acrescentou.

"Descobri que ele não apenas falou sobre a Europa, China e Rússia, parece que o mundo inteiro é um inimigo", disse, por seu lado, o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian.