Mundo

Visita surpresa de Hillary Clinton ao Afeganistão centrada na reconciliação

Visita surpresa de Hillary Clinton ao Afeganistão centrada na reconciliação

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, chegou ao início da noite desta quarta-feira a Cabul, para uma visita surpresa ao Afeganistão e destinada a pressionar a reconciliação no país, quando se perspectiva a retirada militar norte-americana.

A chefe da diplomacia de Washington vai reunir-se na quinta-feira com o Presidente Hamid Karzai, com diversos altos funcionários e ainda com dirigentes civis do país asiático.

A deslocação coincide com as recentes afirmações do Presidente afegão, que exprimiu a sua frustração pela incapacidade em reforçar o processo de reconciliação interno e terminar com a rebelião talibã, e ainda pelos crescentes ataques da rede Haqqani, sediada no Paquistão e aliada dos insurrectos afegãos.

Os Estados Unidos consideram decisivo um acordo político com os talibãs para terminar com uma guerra que se prolonga há dez anos, e têm pressionado Karzai para liderar e intensificar a reconciliação, apesar de os talibãs terem já manifestado desinteresse pela iniciativa.

Um esforço secreto dos EUA no início do ano para iniciar as negociações acabou por enfurecer Karzai, recorda a agência noticiosa AP.

O objectivo na reintegração dos insurgentes que renunciaram à al Qaeda, à violência e dizem pretender respeitar a Constituição afegã sofreu um duro golpe com o assassínio no mês passado do veterano dirigente Burhanuddin Rabbani, que estava a conduzir o processo negocial.

Karzai tem argumentado que este atentado comprova a futilidade dos esforços de paz.

Em paralelo, Clinton também deverá pressionar os afegãos para a obtenção de um acordo de segurança destinado a determinar as relações norte-americanas-afegãs após a retirada das tropas dos EUA.

O Presidente Barack Obama pretende fazer regressar o grosso do contingente militar até ao final de 2014. No entanto, os actuais planos prevêem que as 33 mil tropas adicionais enviadas para o país asiático em finais de 2009 sejam retiradas durante 2012, incluindo 10 mil até ao final deste ano.