Mau tempo

Inundações na África do Sul já fizeram 340 mortos

Inundações na África do Sul já fizeram 340 mortos

As inundações registadas desde segunda-feira na província sul-africana de KwaZulu-Natal (no leste do país) já causaram 340 vítimas mortais, prevendo-se que o número continue a aumentar, enquanto prosseguem os trabalhos das equipas de emergência.

Esta quinta-feira, as chuvas deram uma trégua à região, mas devem recomeçar na sexta-feira. Por isso, as equipas de emergência e socorro estão a trabalhar hoje para dar abrigo a milhares de pessoas afetadas, procurar dezenas de desaparecidos e prevenir mais danos nas infraestruturas e habitações afetadas.

"Os nossos pensamentos estão com o povo de KwaZulu-Natal, que está a ser afetado pelas graves inundações, que já levaram à perda de muitas vidas e destruíram casas, empresas e infraestruturas públicas", disse o presidente do país em comunicado. Cyril Ramaphosa visitou na quarta-feira as áreas afetadas com as autoridades locais.

PUB

Nessa visita, o presidente descreveu a situação como uma "catástrofe de enormes proporções" e relacionou-a diretamente com as mudanças climáticas.

Por esta razão, o governo sul-africano declarou, na quarta-feira à noite, o estado de calamidade em KwaZulu-Natal, o que permitirá à região aceder a recursos especiais do Estado para fazer face aos danos.

O último balanço de vítimas mortais, confirmado em conferência de imprensa virtual pelo chefe de governo da província, Sihle Zikalala, é de 340, mas não está descartada a possibilidade de que este número venha a aumentar, dado que muitas pessoas ainda estão desaparecidas.

"O momento e a gravidade da catástrofe das cheias indicam claramente que vivemos tempos de desequilíbrio ecológico, alterações climáticas e degradação ambiental", refletiu este responsável, depois de admitir que se trata de tempos de "desastre sem precedentes" para a região.

Zikalala também estimou que os danos materiais, que ainda não foram quantificados, serão perdas milionárias.

Em pontos como o bairro de Reservoir Hills, moradores que perderam tudo nestas cheias dizem estar a ser ignorados pelas autoridades e fizeram protestos, que tiveram de ser dispersados pela Polícia.

O porto de Durban - a zona de transporte de carga marítimo mais importante de todo o continente africano - teve de suspender as suas operações na quarta-feira e os caminhos-de-ferro da zona também sofreram danos significativos.

Grandes fábricas, como a unidade de montagem que a Toyota tem em Durban, também foram completamente inundadas e tiveram que interromper as atividades.

Contingentes policiais foram mobilizados para lidar com tentativas de saques em algumas partes da província e o Exército tem tropas no terreno, para apoiar os esforços de resgate.

Na sequência desta catástrofe natural, vários líderes do continente africano manifestaram a sua solidariedade para com a África do Sul e enviaram mensagens de condolências.

KwaZulu-Natal tem vindo a registar um aumento deste tipo de desastres climáticos nos últimos anos.

O mais grave ocorreu em 2019, quando chuvas torrenciais e inundações deixaram cerca de 80 mortos, precisamente nesta época do ano.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG