Violência

Invasão do Capitólio: Mais quatro membros dos Proud Boys acusados

Invasão do Capitólio: Mais quatro membros dos Proud Boys acusados

Quatro membros do grupo de extrema-direita Proud Boys foram acusados no âmbito da invasão do Capitólio, depois de surgirem novas provas de que planearam um ataque coordenado para impedir a confirmação da vitória do presidente Joe Biden.

Pelo menos 19 líderes, membros ou associados do grupo, considerado neofascista, já foram acusados no tribunal federal por crimes relacionados com os tumultos de 6 de janeiro no Capitólio dos Estados Unidos.

A última acusação sugere que os Proud Boys destacaram um contingente muito maior para Washington, com mais de 60 utilizadores a "participarem" num canal de mensagens encriptadas para membros do grupo, criado um dia antes da invasão.

Os Proud Boys criaram o novo canal "Boots on the Ground" após a polícia ter prendido o líder do grupo, Enrique Tarrio, em Washington.

Tarrio foi preso a 4 de janeiro e acusado de vandalizar uma bandeira do movimento "Black Lives Matter" numa histórica igreja negra durante um protesto em dezembro, tendo-lhe sido ordenado que ficasse fora do Distrito de Columbia.

Tarrio não foi acusado pelos tumultos, mas a última acusação refere-o como presidente dos Proud Boys.

Ethan Nordean e Joseph Biggs, dois dos quatro últimos arguidos acusados, foram presos há várias semanas com base em acusações separadas, mas relacionadas.

PUB

A nova acusação também implica Zachary Rehl e Charles Donohoe.

Os quatro arguidos são acusados de conspiração para impedir a certificação pelo Congresso do voto do Colégio Eleitoral.

Outras acusações incluem obstrução de um processo oficial, obstrução à aplicação da lei durante a desordem civil e conduta desordeira.

Os advogados dos quatro homens não comentaram as acusações.

Os membros dos Proud Boys, que se descrevem como um clube de homens politicamente incorreto para "chauvinistas ocidentais", envolvem-se frequentemente em lutas com ativistas antifascistas em comícios e protestos.

Pelo menos cinco pessoas morreram durante a invasão ao Capitólio.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG