Negociações

Irão aceita restabelecer acordo nuclear se EUA garantirem que não voltam a retirar-se

Irão aceita restabelecer acordo nuclear se EUA garantirem que não voltam a retirar-se

O parlamento iraniano estabeleceu, este domingo, um conjunto de condições para restabelecer o pacto nuclear, entre elas a garantia de que os Estados Unidos não rompam o novo acordo, como ocorreu em 2018, segundo a agência EFE.

A agência espanhola cita uma carta dirigida ao presidente do Irão, Ebrahim Raisi, por 250 dos 290 deputados do parlamento iraniano, exigindo que os Estados Unidos garantam "legalmente" que não voltarão a abandonar o acordo.

"Os Estados Unidos devem estabelecer garantias legais, aprovadas pelo seu Congresso, de que não abandonarão o pacto mais tarde", pode ler-se na missiva, ressalvando que não serão suficientes "promessas verbais".

O Irão pretende, igualmente, que o novo acordo não inclua um mecanismo sancionatório, como o anterior. "As sanções eliminadas, num novo pacto, não devem ser reintroduzidas e o Irão não deve sofrer novas sanções", defende o parlamento iraniano.

As negociações para o restabelecimento de um novo pacto nuclear iniciaram-se há um ano, mas as conversações encontram-se paradas, com o Irão a atribuir a culpa aos Estados Unidos.

Este domingo, o ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Hossein Amir-Abdollahian, instou os Estados Unidos a demonstrar "gestos de boa vontade para fechar o acordo".

O governante afirmou que, nas últimas semanas, os Estados unidos fizeram "novas e excessivas exigências", entre elas a exigência de manter conversações diretas entre Teerão e Washington.

PUB

"Os representantes norte-americanos defendem a necessidade de manter conversações diretas connosco, mas não temos interesse", ressalvou o ministro iraniano.

O pacto nuclear de 2015 limitava o programa atómico do Irão em troca do levantamento de sanções ao país do médio oriente.

Contudo, o anterior presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, rompeu em 2018 o acordo e voltou a impor sanções ao Irão.

Um ano depois, em resposta a esta decisão dos Estados Unidos, o Irão decidiu acelerar os seus esforços nucleares.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG