Inglaterra

Irmãos estrangulam dois filhos para esconderem relação de incesto

Irmãos estrangulam dois filhos para esconderem relação de incesto

Dois irmãos, que mantinham uma relação incestuosa, foram presos, na terça-feira. O casal foi considerado culpado da morte de dois dos seus filhos e de tentarem, ainda, matar os outros quatro.

Sarah Barrass, de 35 anos, e o seu meio-irmão, Brandon Machin, de 39 anos, estrangularam, em maio, Tristan e Blake, de 13 e 14 anos, em Sheffield. Os dois foram condenados, na terça-feira, a uma pena mínima de 35 anos, adianta o jornal "The Guardian".

De acordo com a "BBC", os dois irmãos, que assumiram a responsabilidade na morte das duas crianças, mantinham uma relação incestuosa há vários anos. Receando serem descobertos pelas autoridades, que poderiam retirar a custódia dos filhos à guarda da mãe, traçaram um plano para matar as crianças.

No dia 23 de maio, antes de ter assassinado Tristan e Blake, a mulher tentou envenenar os quatro filhos mais velhos, administrando-lhes medicamentos tomados por uma das crianças. "Nenhuma queria tomar os comprimidos, mas foram forçadas a fazer isso. Os réus tinham esperança que os medicamentos as matassem durante a noite", explicou Kama Melly QC, procuradora responsável pelo caso.

Quando a mulher percebeu que o plano original tinha falhado, começou a pesquisar na Internet novas estratégias para matar os filhos, como o afogamento ou o estrangulamento. A mulher contactou, então, o irmão explicando-lhe que as crianças não tinham morrido. Foi, então, que estrangularam os dois rapazes e colocaram-lhe sacos de lixo na cabeça "para assegurarem que estavam mesmo mortos". Os dois foram depois encontrados enterrados juntos no mesmo caixão.

Depois de terem assassinado as duas crianças, os irmãos tentaram afogar na casa de banho as outras quatro, duas delas com menos de 13 anos de idade. Não conseguindo cumprir o plano, a mulher fechou os filhos no quarto e ligou para a polícia.

Quando a polícia chegou à casa, encontrou a mulher barricada no quarto com os quatro filhos. "Ela mentiu aos agentes e disse que os dois outros filhos estavam na casa de vizinhos", explicou a procuradora, citada pelo "The Guardian". A mentira da mãe foi automaticamente desfeita por um dos meninos que disse ao polícia que dois dos irmãos estavam mortos.

Pedido de ajuda e receio de entregar filhos

A mulher já teria pedido apoio às autoridades locais para a ajudarem na educação das crianças, mas sempre foi relutante em entregar os filhos a qualquer instituição. Segundo o advogado de defesa de Sarah, que considerou os crimes "diabólicos", a mulher terá sido "profundamente afetada pela infância que teve".

A agora condenada terá crescido numa casa onde foi vítima de negligência física e emocional. Foi também vítima de abusos sexuais e depois enviada para uma casa de acolhimento.

Os vizinhos, ainda a recuperar do choque deste crime, sempre consideraram Sarah uma mulher responsável, que criava os seis filhos de forma cuidada, com o apoio do irmão. De acordo com o "Mirror", Brandon além de irmão de Sarah é também o pai dos seus seis filhos.