Pandemia

Itália regista 8800 novos casos de covid e debate reabertura de escolas

Itália regista 8800 novos casos de covid e debate reabertura de escolas

Itália registou 8864 novas infeções e 316 mortes com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, enquanto instituições de ensino, governos regionais e sindicatos debatem o regresso ao ensino presencial na próxima segunda-feira.

O número de novos casos representa uma diminuição de 3830, quando comparados com 12.694 no domingo, embora o número de testes também tenha sido muito menor.

As mortes com covid-19, por outro lado, aumentaram de 251 para 316, elevando o número total de mortes para 117.243 desde o início da crise sanitária na Itália, em fevereiro do ano passado, com um total 3.878.994 infeções.

A pressão hospitalar permanece estável, com 26.986 doentes internados, 27 a mais do que no domingo, e 3244 em cuidados intensivos, menos 67 do que no dia anterior.

A Itália já aplicou 15.352.790 doses de vacinas contra a covid-19 e 4.507.326 pessoas já tiveram as duas doses para obter imunidade.

O país vai diminuir as medidas restritivas a partir da próxima segunda-feira, 26 de abril, quando a qualificação de "zona amarela", de menor risco epidemiológico, será recuperada e as regiões que nela ingressarem poderão ter os seus restaurante e bares a receber clientes, desde que estejam ao ar livre.

Nesse dia, todos os estabelecimentos de ensino também serão reabertos em regiões com limitações médias e baixas, onde agora o atendimento presencial em escolas e universidades é de apenas 50%.

PUB

No entanto, este desconfinamento suscita dúvidas entre os dirigentes das instituições de ensino e entre os presidentes das regiões, e os sindicatos pediram ao Governo italiano que revertesse a reabertura, por considerá-la "um gesto político que não se baseia em condições reais".

O primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, tem dito em várias ocasiões que a educação é a sua maior prioridade e que o ensino voltará a ser presencial, pelo menos, no último mês do calendário escolar, que termina genericamente em 08 de junho para os 8,5 milhões de alunos do país.

Hoje, são 6,85 milhões os alunos que já podem ir fisicamente à escola, depois de algumas regiões como a Campânia (sul) terem saído do confinamento.

A maior parte do país encontra-se atualmente na "zona laranja", aquela com um nível médio de limitações, e apenas quatro regiões estão na de maior risco epidemiológico: Campânia e Apúlia (sul), Vale de Aosta (norte) e a ilha da Sardenha.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG